quinta-feira, 26 de setembro de 2013

FUNCIONALISMO PADECE ENQUANTO BANCO LUCRA

Desde agosto deste ano, o funcionalismo vem tentando negociar, com a Direção do Banpará, as Cláusulas Econômicas constantes da Minuta de Reivindicações 2013/2014. 


Foram cinco rodadas frustradas, nas quais a DIRAD apenas ofereceu aumento das vagas na Terapia Holística, Reajuste do Abono Academia e o Programa de Distribuição de Resultados-PDR, que remunera o funcionalismo a partir do atingimento de 90% das metas propostas pelo Banco. 

Definitivamente NÃO!!!! Não são essas as propostas que colocamos na nossa Minuta em junho de 2013, quando nos reunimos para definir os nossos interesses nesta Campanha. O Banpará, com sua postura, teima em tentar comandar o que queremos para as nossas vidas, quer ditar o que lhe interessa negociar em mesa.

O ano todo o funcionalismo toma conhecimento, pelo Diário Oficial do Estado, o quanto a Direção do Banco investe em outros interesses, por exemplo, firmando Convênios que favorecem várias Pessoas Jurídicas e Associações; patrocinando times; repassando para o Governo do Estado uma dinheirama em dividendos, que antes ficavam nos cofres do Banpará, enfim, mostrando uma imagem para sociedade de que é uma empresa compromissada com o desenvolvimento do Estado e que atua em prol do desporto, da geração de emprego e renda e do fortalecimento das manifestações culturais de cada cidade e seu povo.

Não somos contra essas atitudes. Acreditamos que é dever do Banpará devolver à sociedade, parte da lucratividade que ele ganha, porém, os funcionários que contribuem decisivamente para o lucro e resultado do Banco, muitas vezes não vêem os seus direitos respeitados, como o pagamento das horas extras e a não efetivação nas funções comissionadas após 90 dias, adoecem por falta de condições adequadas de trabalho (é urgente mais contratação de funcionários e a aquisição de sistemas tecnológicos eficientes), e não são valorizados como deveriam ser.  

Sobre a questão cultural, é sabido por todo o funcionalismo do Banco, que no último final de semana ocorreu a Festa do Sairé, em Santarém, um evento cultural da população local. 

O Banpará patrocinou o Sairé, a Presidência e Diretoria do Banpará compareceram, como figuras convidadas e ilustres, com direito a camarote e tudo o mais. 

Acontece que aqui em Belém e em outros municípios do Estado, incluindo Santarém, o funcionalismo se encontra totalmente endividado e lutando por ter direito à vida digna, se encontra em luta legítima e legal por melhorias de condições de vida e de trabalho.

Ao invés de estar preocupada em responder dignamente às reivindicações dos funcionários, a diretoria festeja e, pior, patrocina uma afronta ilegal ao sagrado direito de imagem, o que levou à agressão de uma funcionária, dirigente de luta da categoria ocorrida ontem, contra a Presidenta da AFBEPA, Kátia Furtado.

O que vemos, é que para a Direção do Banpará, a prioridade não são as nossas vidas, parece que não valemos nada, pois nos dão as costas no momento que temos para pedir o que é essencial para as nossas vidas.


Ano passado o Banco sequestrou um dos direitos conquistados pelo funcionalismo na greve de 2008, o direito à distribuição da sobra da PLR, em abono inicialmente e depois, reiteradamente, em Tíquete Extra.

Em janeiro de 2013, o Banco deixou de progredir por antiguidade, todos os funcionários que tivessem o tempo mínimo de três anos de trabalho no Banco.

Foram várias tentativas de negociação com a Direção do Banpará, buscando defender o direito do funcionalismo de ter respostas às cláusulas econômicas da Minuta de Reivindicações, infelizmente sem êxito.

A massiva adesão à nossa greve demonstra que ninguém mais acredita na ladainha de que o Banpará está respondendo as propostas de valorização solicitadas pelo funcionalismo, pois faltam atitudes concretas que demonstrem tal interesse.

Queremos ser respeitados, queremos efetivação de políticas que valorizem a nossa vida, queremos dignidade!

PELO RETORNO DO TÍQUETE EXTRA, NO VALOR DE R$ 5 MIL REAIS, PARA CADA UM!

PELA PROMOÇÃO POR ANTIGUIDADE PARA TODOS, RETROATIVA A JANEIRO DE 2013, E PROMOÇÃO POR MERECIMENTO EM JANEIRO DE 2014!

POR REAJUSTE DIGNO, ACIMA DA FENABAN, JÁ QUE TEMOS O MENOR SALÁRIO ENTRE OS BANCOS PÚBLICOS!

POR SAÚDE, SEGURANÇA, PONTO ELETRÔNICO, PAGAMENTO DE TODAS AS HORAS EXTRAS, RESPEITO, DIGNIDADE E VALORIZAÇÃO EFETIVA!


UNIDOS SOMOS FORTES!

NA LUTA É QUE SE AVANÇA!







*




Um comentário:

Anônimo disse...

Essa greve só vai dar resultado positivo pro funcionalismo se o sindicato não afrouxar, ano passado foi um vexame! Não gosto de parar de trabalhar, não sou a favor de greve, mas se essa for a única maneira de pressionar, ok! Porém só for pra beneficiar apenas os antigos funcionários que acumulam inúmeras vantagens. Pra que aderir?! Sabemos que hoje o Banpara é formado por pessoas novas que estão dando uma cara mais amigável ao banco, famoso por seus funcionários rabugentos, porém nas greves são os menos beneficiados.