quinta-feira, 12 de abril de 2012

DUAS PERGUNTAS QUE NÃO QUEREM CALAR


1) 60 MILHÕES APLICADOS EM QUÊ?
Quando, em janeiro deste ano, jornais locais publicaram notinhas sugerindo avançadas negociações de venda do Banpará, a direção do Banco, agindo tempestivamente, publicou, nos mesmos jornais, uma nota em tom de resposta defendendo o Banco público estadual. Ótimo. Na nota, o presidente do Banpará anulou possibilidades de privatização do Banco ressaltando o lucro histórico e, encerrando a nota, o Banpará afirmou que repassaria em torno de 60 milhões ao acionista majoritário, o governo do estado, referente a dividendos do ano 2010. De fonte segura, sabemos que o repasse foi feito.

O repasse foi feito como? Verba carimbada para programas de inclusão social, verba selada para aplicação em saneamento básico, saúde, educação, melhoria dos serviços públicos? Onde está este dinheiro e em quê está sendo aplicado? O Banpará tem essa informação? O governo do Estado, de forma transparente, disponibiliza essa informação? 

Os funcionários do Banpará que construíram, com seu trabalho, esse lucro histórico, desejam saber o que está sendo feito com esses 60 milhões. A sociedade também deseja saber. O Banco e o governo estadual tem o dever de dizer.

2) VÃO BAIXAR AS TAXAS DE JUROS?
Nesta queda de braço entre governo federal e Bancos para redução das taxas de juros, a quem a direção do Banpará vai seguir? Já há sinais de corrida de clientes de Bancos privados para a Caixa, que baixou estupendamente suas taxas de juros, inclusive do consignado.

Quando a Secretaria de Administração do governo estadual decidiu abrir o empréstimo consignado dos funcionários públicos para a Caixa, a direção do Banpará agiu à altura: baixou as taxas de juros e manteve os clientes no Banco. O governo voltou atrás na decisão. Pouco tempo depois, as taxas de juros subiram de novo. E agora? Como será?

Para esta AFBEPA, o Banpará deve cumprir a missão social que lhe foi destinada no nascedouro: ser um pilar de uma política de desenvolvimento que tenha como foco a inclusão social. Nesse sentido, defendemos cada vez mais produtos acessíveis de crédito e microcrédito para levar trabalho, renda, dignidade e cidadania às faixas mais carentes da população desse nosso Pará.




*

3 comentários:

Anônimo disse...

AFBEPA, pergunte ao Toste.

Anônimo disse...

Querem conhecer um pouquinho mais sobre o atual governador do Estado e representante maior do PSDB?? Acessem o blog A Perereca da Vizinha, da jornalista Ana Célia Pinheiro e conheçam quem é realmente o titular do governo atual.Trata-se de obra de quadrilha organizada. Portanto, todo cuidado é pouco!

Anônimo disse...

O maior problema é a maldita política, onde tudo é farinha do mesmo saco. Sou tremendamente apolítico e não tenho fanatismo por A ou B. O governo passado foi tão bom que nem se reelegeu e nem apoio do petista maior teve. A única coisa boa no governo Ana Júlia foi enquanto o Dr. Edilson Souza presidiu o NOSSO Banpará, tornando o melhor presidente dos últimos 30 anos. No mais, é tudo igual. Tanto é verdade que o Sindicato era o nosso pior inimigo esempre saia a favor das decisões da Ana Júlia.