terça-feira, 31 de outubro de 2017

GERENTE GERAL DA AGÊNCIA CIDADE NOVA É VÍTIMA DE “SAPATINHO”


Mais um colega e sua família foram vítimas de sapatinho. Hoje, às 06h da manhã, quando o gerente da Ag. Cidade Nova se deslocava para deixar seu neto na escola, um grupo de aproximadamente dez bandidos, fortemente armados, renderam ele e sua família. Sua esposa e seu neto foram levados em um carro, enquanto os bandidos mandaram que ele fosse a agência pegar o dinheiro do resgate, mas o plano maquinado pelos bandidos não deu certo.

Segundo informações da Polícia Civil, a esposa e o neto do colega bancário foram abandonados em Santa Izabel e estão sendo trazidos pela Polícia Militar para Belém. O colega se encontra na Seccional da Cidade Nova prestando depoimento. O caso deverá ser encaminhado à DRCO, segundo informou o delegado Adelino Sousa, diretor dessa delegacia.


Esse é mais um assalto contra as dependências do Banpará, o qual precisa tomar providências no sentido de pensar estratégias que protejam a vida dos trabalhadores, em especial Gerentes Gerais, Tesoureiros e coordenadores de PAB, que são, no crime de “sapatinho”, as principais vítimas.

Esse tipo de crime abala em demasia o psicológico das pessoas diretamente envolvidas, como também dos outros colegas que fazem parte da empresa, por isso é preciso urgência e cuidado nos atendimentos desses casos.

AFBEPA PEDE RAZOABILIDADE DA DIREÇÃO DO BANPARÁ NO RESPEITO À VIDA.


Seria uma atitude correta e adequada da Direção do Banpará mandar fechar a unidade depois da ocorrência desse tipo de sinistro, porém não foi o que houve, ao contrário, determinaram que os funcionários da Agência Cidade Nova aguardassem e abrissem a unidade a partir das 12h, no entanto a grande maioria dos trabalhadores não estava em condições psicológicas para o atendimento ao público e o manuseio de dinheiro, devido ao abalo emocional, demonstrado pelo choro fácil e tristeza que tomou conta da grande maioria presente na unidade.

Desta forma, a AFBEPA se solidarizou com os colegas e entendeu que a agência deveria ser fechada, o que só por volta das 13h foi autorizado pela Diretoria do Banco, antes disso a Associação, na pessoa da presidenta, teve que explicar para os clientes o que aconteceu e a gravidade do fato, o que foi entendido, e todos foram orientados a buscar outra unidade bancária para seus atendimentos.


Medidas precisam ser tomadas, pois é dever do Banco garantir a segurança dos seus funcionários, buscando mecanismos que melhorem e previnam esse tipo de crime, “sapatinho”, do qual os bancários são as principais vítimas.

É importante a emissão do CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho) além de, todos os procedimentos necessários para buscar a recomposição do psicológico das pessoas que se abalaram com o ocorrido, e principalmente do Gerente Geral e sua família que foram os que sofreram diretamente a violência.


O Banpará precisa entender que, hoje, as casas dos funcionários são extensões do local de trabalho e que alguns empregados estão mais expostos do que outros dentro de suas casas, como se estivessem no ambiente de trabalho, por serem detentores de funções dentro do Banco com algum poder ou controle de numerário. Trabalhar com dinheiro é um risco, torna o Banco e seus funcionários alvos de quadrilhas que observam a rotina desses trabalhadores e mapeiam seus passos, a fim de cometer esse tipo de crime. É preciso que o Banco pense políticas de prevenção ao “sapatinho”, a fim de garantir a integridade e a vida desses trabalhadores, de suas famílias e de seus principais patrimônios.

Nós da AFBEPA, nos solidarizamos com o colega e sua família e nos colocamos a disposição para ajudar no que pudermos, esperamos que todos consigam superar esse trauma.

UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Texto: Gleici Correa

Assessoria de Imprensa

segunda-feira, 30 de outubro de 2017

AGÊNCIA DO BANPARÁ EM CAPITÃO POÇO FOI ASSALTADA NA MADRUGADA DE HOJE


Na madrugada de hoje, 30 de outubro, por volta das 2h, um grupo de criminosos atacou a Agência do Banpará no município de Capitão Poço. Esse já é o quarto ataque a unidades do Banpará dentro de um mês.

Segundo informações da Polícia Civil, a quadrilha se dividiu em duas partes, alguns bandidos entraram em confronto direto com a polícia militar, enquanto o restante do bando se revezou em monitorar a delegacia e explodir o cofre da agência. Foram levados da agência três malotes de dinheiro, não se sabendo ainda precisar o valor.
 
Delegacia foi alvo dos disparos dos assaltantes
O bando estava fortemente armado e houve uso de explosivos para roubar o dinheiro do cofre. Felizmente, ninguém ficou ferido durante a investida dos bandidos. Os criminosos sabiam que a agência bancária estava abastecida para pagar funcionários públicos nos próximos dois dias, o que a tornou ainda mais atrativa para a quadrilha.
 
Assalto na Ag. de Capitão Poço
No dia 06 de setembro houve um assalto à agência do Banpará do município de Sapucaia; dia 30 de setembro houve uma tentativa de arrombamento do caixa eletrônico da Seduc; na madrugada do dia 5 de outubro, um grupo de meliantes explodiu os caixas eletrônicos do Banpará em Eldorado de Carajás; no dia 13 de outubro, um grupo de bandidos, fortemente armados, assaltaram a Agência Medicilândia.

Esses ataques estão cada vez mais frequentes ocorrendo, principalmente, entre o final do mês e começo do mês seguinte e, por ser final de ano, as quadrilhas estão ainda mais ávidas por dinheiro e por isso os estabelecimentos bancários se tornam os alvos mais atraentes. Já verificado esse procedimento, ao Banpará cabe dialogar com as autoridades competentes, a fim de formular uma estratégia que ajude a prevenir esses ataques e melhore essa insegurança que se encontram as unidades bancárias.
 
Assalto na Ag. de Capitão Poço
Esse assunto deveria ser tratado com especial prioridade, pois fere a paz e a tranquilidade dos trabalhadores e da sociedade como um todo, portanto, medidas têm de ser analisadas e encaminhadas.

A situação não pode continuar do jeito que está, investimentos em segurança são essenciais, pois Proteger a Vida tem de ser uma obrigação do Banco e do Governo do Estado. A AFBEPA está sempre à disposição dos bancários do Banpará. Continuaremos lutando por Direitos e condições dignas de trabalho.

MAIS INVESTIMENTOS EM SEGURANÇA, JÁ!

UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Texto: Gleici Correa

Imagens: Via/Whatsapp

Assessoria de Imprensa

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

ASSEMBLEIA AUTORIZA AÇÃO JUDICIAL EM DEFESA DO PREVRENDA


Foi realizada na noite ontem, 26 de outubro, uma Assembleia dos bancários do Banpará, na sede do Sindicato, a fim de debater e deliberar sobre a pretensão do Banco de retirar o patrocínio destinado à CAFBEP; transferir a gestão do Fundo de Previdência Complementar (PREVRENDA) e sobre a possibilidade do Sindicato ajuizar ação judicial.

Foi apresentada aos colegas presentes, a situação colocada pelo Banpará, em reunião ocorrida em 9/5/17, com as Entidades Sindicais, a respeito da retirada da Contribuição Especial Patronal destinada ao Fundo de previdência complementar gestado pela CAFBEP.


O Banco alega que, com o fim do patrocínio especial aportado por ele no Fundo (em novembro/2017), não será possível que as despesas da CAFBEP fiquem dentro do valor-limite de 9%, estabelecido pela PREVIC, regra que vale para toda Entidade Privada de Previdência Complementar. Por conta dessa situação, o Banpará alega que a única saída viável é a liquidação da CAFBEP e posteriormente a transferência de Gestão do Fundo de Previdência Complementar dos funcionários.

Como pode ser observado na fala do conselheiro indicado pelo Banco, durante essa reunião:

“...Quanto à manutenção de uma entidade de previdência, existem custos administrativos vultosos, que possuem um valor-limite, de 9%, estabelecido pela PREVIC. A CAFBEP tem conseguido manter os custos dentro do limite, até com sobra, até dezembro de 2016. Contudo, em novembro de 2017, um novo cenário se apresentará, pois a Contribuição Especial Patronal, estabelecidas para usuários que já estavam gozando dos benefícios no BD, mas que migraram ao PrevRenda em 2002, e que finda neste período. Ao retirar a contribuição da Base de Cálculo, a CAFBEP não mais conseguirá se manter, pois o limite de despesas administrativas diminui, e não há como pagar com gestão própria de recursos...”

A respeito da transferência de gestão do Fundo de Previdência para uma empresa de mercado, a Assessoria Jurídica do Sindicato avalia que em termos de legislação, o que seria garantido é o direito dos participantes e do patrocinador fiscalizarem essa nova gestão, por meio de uma comissão a ser criada.


A assembleia destacou a falta de transparência desse processo, pois só ocorreu uma reunião do patrocinador e da CAFBEP com as Entidades de Classe, no dia 9/5, na qual foram levadas planilhas e um estudo informando o fim da CAFBEP e a transferência de gestão do Fundo de Previdência Complementar, como única solução cabível para a retirada do patrocínio especial. Nessa mesma reunião, a Presidenta da AFBEPA, Kátia Furtado, solicitou que o Banco realizasse uma grande reunião no autoatendimento da Ag. Senador Lemos, no entanto, não houve boa vontade para isso.


Como participantes do Fundo de Previdência, os funcionários têm Direito de saberem do Patrocinador Banpará o que está havendo, além de maiores detalhes das causas do problema e, conjuntamente, buscar meios para saná-los.

Na assembleia, Kátia Furtado, ressaltou a importância desse tema e que não devemos recuar. Nesse cenário atual, com todos os ataques à classe trabalhadora, é importante que a categoria Bancária do Banpará lute para manter bem gestado o seu Fundo de previdência, pois em lugar nenhum iremos conseguir um plano de previdência complementar como o do Banpará. Ela também chamou atenção para o fato de que conhecemos a direção da CAFBEP. É importante manter o canal com as pessoas que fazem parte do nosso cotidiano.


Ao final de sua fala, Kátia também disse que precisamos ir para cima do Banco com uma Ação Judicial bem instruída, com um profissional que entenda bastante de direito previdenciário, para assim encontrarmos um caminho que nos leve ao êxito e que proteja os direitos dos funcionários participantes do Fundo. A diretora da AFBEPA, Cristina Quadros, ratificou a importância da Ação ser construída por um Advogado especialista em Direito Previdenciário.


Ao final da Assembleia, os presentes autorizaram por meio de votação que o Sindicato dos Bancários do Pará entre com Ação Judicial para impedir a transferência do Fundo de Previdência Complementar (PREVRENDA) para outro administrador; para requerer que o Banco permaneça patrocinando o Plano Básico até que o último dependente saia do mesmo; e que o Banco e CAFBEP sejam obrigados  a apresentar detalhadamente todas as despesas administrativas com os Planos de Previdência hoje administrado pela CAFBEP.

UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Texto: Gleici Correa

Assessoria de Imprensa

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

ASSEMBLEIA, AMANHÃ, DEBATERÁ E DELIBERARÁ SOBRE O PLANO DE PREVIDÊNCIA GESTADO PELA CAFBEP. COMPAREÇA!















A AFBEPA lembra a todos os bancários do Banpará, participantes do Fundo de Previdência Complementar gerido pela Cafbep, que amanhã, 26 de outubro, ocorrerá uma Assembleia, na sede do Sindicato dos Bancários, às 18h30, na qual serão debatidas as seguintes demandas, conforme Edital publicado por essa Entidade:

1. Avaliação sobre a retirada de patrocínio, pelo BANPARÁ, destinado à CAFBEP;

2. Avaliação sobre a transferência de gestão da CAFBEP;

3. Avaliação e deliberação sobre a possibilidade de ajuizamento de ação judicial.

É de suma importância à presença dos participantes do Fundo de Previdência e de toda a categoria bancária do Banpará, pois esse é um tema que afeta diretamente os trabalhadores e trabalhadoras, tanto os participantes, quanto os interessados em participar do Fundo de Previdência Complementar.

O Banpará já iniciou o processo de transferência de Gestão do Fundo de Previdência, sem que os participantes tenham sido ouvidos, apenas houve uma reunião com as Entidades Representativas da Categoria, Sindicato, Fetec e AFBEPA, mas existem pontos que precisam ser esclarecidos e os trabalhadores necessitam saber do patrocinador e gestores do fundo o que vai mudar com essa transferência.

Posteriormente, os participantes, em conjunto com as suas Entidades Representativas, devem analisar o cenário apresentado e os rumos que podemos seguir, a fim de que os nossos direitos sejam respeitados e cumpridos.

Por isso, a sua participação é essencial!

Relembre aqui o ofício enviado ao Sindicato, no dia 07 de junho de 2017, no qual a AFBEPA solicita a realização de Assembleia para debater o fundo de previdência Complementar dos funcionários do Banpará.

Serviço:

Assembleia dos bancários, na sede do Sindicato dos Bancários

Local: Rua 28 de setembro, nº1210, Reduto

Data: 26 de outubro de 2017

Horário: a partir das 18h30

UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Texto: Gleici Correa

Assessoria de Imprensa

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

COMUNICADO IMPORTANTE


Conforme já falamos em outras postagens, a Reforma Trabalhista entrará em vigor no próximo dia 11 de novembro e algumas mudanças processuais ocorrerão. Entre elas, podemos mencionar um maior rigor na concessão da justiça gratuita, o pagamento de honorários sucumbenciais nos casos de improcedência da ação, etc.

Por este motivo, a AFBEPA orienta que seus Associados busquem informação com a nossa Assessoria Jurídica, no sentido de verificarem se há alguma Ação Coletiva em trâmite que se enquadre com a função desempenhada, de forma que os colegas se antecipem na entrega de seus documentos, a fim de ajuizarem suas demandas na vigência da CLT de 1943.

Nesse sentido, a AFBEPA comunica o seu compromisso, por sua Assessoria Jurídica, em ajuizar até 10/11/2017 todas as demandas cuja documentação tenha sido apresentada pelo interessado até 31/10/2017, impreterivelmente.

A DIREÇÃO DA AFBEPA

terça-feira, 17 de outubro de 2017

DEFESA DOS BANCOS PÚBLICOS FOI PAUTA DE AUDIÊNCIA NA ALEPA


A AFBEPA participou na tarde de ontem, 16 de outubro, através de seu Diretor Artur Leão, de uma Audiência Pública, em defesa dos Bancos públicos, realizada na Assembleia Legislativa do Pará (Alepa) e organizada pela Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor, do Sindicato dos Bancários do Pará e do deputado estadual Carlos Bordalo (PT).

A Associação foi representada pelo diretor, Artur Leão, uma vez que a Presidenta da Entidade, Kátia Furtado, tinha uma agenda médica naquela hora, para tratar de um problema de saúde.


Participaram do evento, representantes de várias Entidades que, por meio de suas falas, expuseram as suas preocupações com a realidade atual do país e, principalmente, a situação dos Bancos Públicos, que têm sido cada vez mais atacados, com fechamento de agências, implantação de Plano de Demissão Voluntária, diminuição do quadro de pessoal, precarização da segurança etc.

É visível que o Governo vem implementando diversas políticas contra à classe trabalhadora, como a aprovação da Reforma Trabalhista, da Lei da Terceirização, a ameaça da Reforma da Previdência, entre tantos outras. A atual ameaça é o desmonte que o governo quer promover nos Bancos Públicos, além do prenúncio de privatização, também tem se destacado a mudança de gestão voltada para os interesses do mercado, agindo sob a mentalidade de bancos privados, que estão focados somente no lucro e não estão nem um pouco preocupados com o desenvolvimento do país, da região e da sociedade local.


De modo simples e coerente o diretor da AFBEPA, Artur Leão, começou sua fala lembrando que, 20 anos atrás os trabalhadores e trabalhadoras do Banpará tiveram que ceder 20% de seus salários para manter o Banco, ressaltou que isso foi uma conquista e que não podemos deixar que nossos esforços acabem em uma venda, que só vai trazer prejuízos para a sociedade. “Os dividendos gerados pelo Banco do Estado do Pará ao Governo do Pará podem ser investidos em construção de escolas, hospitais, estradas, entre outros investimentos que beneficiem a população”.

Artur também destacou, sem desmerecer o planejamento estratégico do Banpará, que o crescimento que o Banco vem tendo não seria possível sem a força de vontade e o trabalho duro de funcionários e funcionárias que lutam diariamente para fazer do Banpará um Banco forte, que tem cumprido a sua missão junto à sociedade paraense.


Ao final da Audiência, foi tirado o encaminhamento de uma reunião para que sejam organizadas ações a fim de dar visibilidade para essa luta, que deve ser de toda a sociedade, pois todos serão afetados com a precarização e extinção dos Bancos Públicos. É necessário informar a sociedade sobre essa situação e convidá-la a se somar com a Classe Bancária. A reunião, ainda sem data confirmada, será chamada pela Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da ALEPA.

A AFBEPA sabe da importância que esses espaços de debate têm e que é imprescindível participar das discussões e fazer com que cheguem até a população. Seguiremos lutando junto com os trabalhadores, a sociedade e parlamentares contra os ataques e desmontes que o governo deseja fazer não só nos Bancos Públicos, como em vários outros órgãos e Empresas importantes para a Nação Brasileira.

UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Texto e Imagens: Gleici Correa

Assessoria de Imprensa

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

ASSALTO NA MODALIDADE “VAPOR”, AO BANPARÁ DE MEDICILÂNDIA, DEIXA A CIDADE EM PÂNICO


No final da manhã de hoje, 13 de outubro, um grupo de pelo menos oito homens fortemente armados invadiram a agência do Banpará no município de Medicilândia, no sudoeste do estado, e com grande violência iniciaram um assalto.

Segundo informações da Polícia Civil, eram por volta de 12h, quando um grupo fortemente armado com três veículos chegou ao município de Medicilândia efetuando disparos em direção à agência do Banpará.


Eram de oito a dez homens que, após invadirem a Agência e saquearem os valores ali contidos, deixaram o local levando, ao todo, dezesseis reféns entre funcionários e clientes, incluindo a Gerente da Agência, que nos relatou os momentos de terror vividos por ela e pelas outras vítimas. Para impedir que a polícia atirasse, os criminosos colocaram algumas das vítimas sobre o capô dos carros, sendo duas delas colegas, funcionários do Banpará, e seguiram em direção à saída da cidade, onde os reféns foram abandonados.


As Polícias Civil e Militar do município, com apoio da PM de Altamira e da Superintendência da Polícia Civil de Altamira, iniciaram as buscas a fim de capturar os assaltantes. O helicóptero do Grupamento Aéreo e policiais militares da Companhia de Operações Especiais (COE) está dando apoio às buscas.


Segundo uma fonte que trabalha na agência, durante o assalto, dois reféns se feriram, um vigilante foi atingido por uma bala que ricocheteou, e um cliente foi atingido por estilhaços de vidro.

Ainda não se sabe o valor roubado. Tivemos a informação de que equipes da GESPA (Gerente de Segurança Pessoal e Patrimonial do Banpará) estão a caminho de Medicilândia para prestar atendimento aos funcionários vítimas do assalto.


Uma equipe da Delegacia de Repressão a Roubos a Bancos de Belém está se deslocando para o município para assumir as investigações. Segundo a última atualização que tivemos, as buscas estão sendo realizadas em um ramal na zona rural de Medicilândia.

Unidades do Banpará são Alvos de Quadrilhas
        
Com esse assalto na Ag. Medicilândia, já são três unidades do Banpará que, em menos de um mês sofreram investidas de quadrilhas de assaltantes. No dia 30 de setembro, houve uma tentativa de arrombamento do caixa eletrônico da Seduc, na qual os bandidos agrediram o vigilante. Na madrugada do dia 5 de outubro, um grupo de meliantes explodiu os caixas eletrônicos tanto do Banpará quanto da agência do Banco da Amazônia – Basa, em Eldorado de Carajás.

Em matéria publicada na semana passada, a AFBEPA já havia chamado atenção para necessidade de redobrar a segurança e os cuidados nas unidades dos Bancos, tendo em vista que nesse período de final de ano as quadrilhas estão ainda mais ávidas por dinheiro e por isso os estabelecimentos bancários se tornam os alvos preferidos.

Não se apaga das memórias das vítimas todo o terror e sofrimento que passam em uma ação dessa natureza, é preciso que o Banco preste todos os cuidados necessários para seus funcionários, e que além de tomar medidas remediadoras, tome medidas preventivas para evitar que a vida dos trabalhadores seja ameaçada desse modo.

Investir em Segurança é Fundamental! A AFBEPA espera que o Banco realmente invista e redobre os cuidados com a segurança. Precisamos de Proteção à Vida dos funcionários e clientes do Banco. Essa intranquilidade provocada pela insegurança não pode continuar!

MAIS SEGURANÇA JÁ!

UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Texto: Gleici Correa

Imagens: Via/Whatsapp

Assessoria de Imprensa

SENHOR, RECEBA NOSSA QUERIDA MARIINHA EM SEU REINO


É com profundo pesar que recebemos a notícia do falecimento da colega Maria das Dores Diniz, carinhosamente conhecida como Mariinha, que partiu para o lado de Deus ontem, 12 de outubro.

Mariinha tinha 71 anos e já era aposentada. Foi admitida no Banpará em 1966, onde trabalhou até 1995, e com seu trabalho muito contribuiu para o Banco alcançar seus objetivos e cumprir sua missão para com a sociedade.

Uma pessoa cheia de luz, sempre muito amável e carinhosa com todos, sendo muito querida por quem a conhecia e sua companhia fará muita falta.

Aos seus familiares, amigos e colegas, nosso profundo sentimento de solidariedade nesta hora de dor e a certeza de que Deus, nosso Pai, irá recebê-la em sua glória e amparar os corações doloridos dos que vão sentir muitas saudades sua.

A DIREÇÃO DA AFBEPA

AS PESSOAS MARAVILHOSAS SÃO IMORTAIS


É com muito pesar que recebemos a triste notícia do falecimento de João Carmo de Freitas, amado irmão de nosso colega Joaquim Carmo. Rezamos para que Deus o receba em sua glória e conforte o coração de seus familiares e amigos.

João partiu, no dia 11 de outubro, de forma precoce e inesperada com apenas 33 anos, vítima de uma fatalidade, deixando sua esposa e seu filho de 2 anos.

As pessoas que amamos são insubstituíveis, por isso é tão difícil entender o porquê de um ente amado ter que partir. A dor que sentimos é imensurável. Nestas horas não há nenhuma palavra que possa ser dita que seja capaz de confortar os nossos corações.

Mas saibam que os nossos pensamentos estão com todos vocês e da mesma forma que nossa total disponibilidade. Tenham muita força! Quem partiu foi muito amado e para sempre será lembrado por quem fica e por ele sentirá eternas saudades.

Não temos palavras para expressar os nossos sentimentos. Pedimos a Deus que acolha João em seu reino e conforte o coração de nosso colega Joaquim, nosso diretor da AFBEPA, dos familiares e amigos neste momento de dor.

Levemos viva conosco a lembrança de quem perdemos, lembremos com amor e carinho sempre, mas honremos a sua memória vivendo a nossa vida em paz e com alegria. Nós da AFBEPA deixamos nossos mais sinceros pêsames e que Deus ilumine todos os familiares e amigos do querido João!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

JORNAL “AÇÃO E CORAGEM” JÁ ESTÁ SENDO DISTRIBUÍDO NAS UNIDADES DO BANPARÁ

O "JORNAL AÇÃO E CORAGEM - ESPECIAL JURÍDICO", da Associação dos Funcionários do Banpará - AFBEPA, edição 11, de outubro de 2017, já está sendo distribuído nas unidades bancárias pela presidenta Kátia Furtado e pelo funcionário da Associação, Márcio Dias.

Nesta edição, o informativo divulga um panorama geral das Ações Coletivas demandadas na Justiça do Trabalho; assim como trata de assuntos muito relevantes para a classe bancária, como as mudanças na CLT com a Reforma Trabalhista, entre outros temas importantes. A pedido da AFBEPA, o Escritório Tuma e Torres Advogados Associados concedeu algumas orientações e posicionamentos a respeito da Reforma Trabalhista.

A Assessoria Jurídica do escritório Valéria Fidellis & Associados falou sobre seu trabalho, com ações individuais para os bancários do BANPARÁ garantirem seus direitos, como, por exemplo, as incorporações de suas funções e o pagamento pelas horas extras trabalhadas.

Nesta edição, apresentamos mais uma vitória para um colega que, após um PAD, teve uma punição injusta aplicada. O responsável por sua defesa foi o Escritório Penner Advocacia.

Juntos, já conquistamos muitas vitórias em nossas Ações e muitas ainda estão por vir. Seguiremos firmes em nosso objetivo de defender e apoiar a o funcionalismo bancário do Banpará hoje e sempre.

Leia abaixo a versão online do JORNAL AÇÃO E CORAGEM:

UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Texto e Fotos: Gleici Correa

Assessoria de Imprensa

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

A AFBEPA DESEJA A TODOS UM CÍRIO DE LUZ, ALEGRIA, COMUNHÃO, AMOR E MUITA FÉ


Belém está em festa, pois chegou o Círio de Nossa Senhora de Nazaré, a maior Festa Religiosa do mundo e a nossa Maior demonstração de Amor a nossa Mãe, Maria. É uma época de muita emoção, quando cresce em nossos corações a fé. É hora de agradecer por todas as graças alcançadas e cultivar o amor, a fraternidade, a comunhão, a paz, a felicidade, a fé e a esperança.

No Pará o mês de outubro é marcado pela maior manifestação de fé do mundo, o Círio de Nazaré traz milhares de fiéis dos quatros cantos do mundo para acompanhar a imensa procissão que reúne mais de 2 milhões de fiéis todos os anos. São feitas diversas homenagens para Nossa Senhora de Nazaré, a mãe de Jesus.

A história conta que o Círio teve início em 1700 quando o caboclo Plácido José de Souza encontrou uma pequena imagem da Senhora de Nazaré às margens do Igarapé Murutucú. Após o encontro do objeto, Plácido teria levado a imagem da santa para a sua casa e, no dia seguinte, ela já não estava mais lá. Em seguida o caboclo retornou ao local e para sua surpresa a imagem havia voltado para o mesmo lugar. O fato se repetiu inúmeras vezes e a notícia se espalhou rapidamente e a Santinha foi levada para o Palácio do Governo. Hoje tradicionalmente, a imagem é levada da Catedral Metropolitana até a Basílica de Nazaré.

Em setembro de 2004 o Círio de Belém foi registrado, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), como Patrimônio Cultural de Natureza Imaterial. Além do grande ato realizado no domingo, o Círio de Nazaré também participa de outras manifestações de devoção, como a romaria fluvial, moto romaria, ciclo romaria, trasladação, círio das crianças e diversas outras peregrinações e romarias que ocorrem na quadra Nazarena.

O Círio é considerado o natal da família paraense, celebrado com muita fé e emoção. Tempo abençoado, de encontros e reencontros com familiares e amigos, quando juntos vivenciarmos uma experiência de fé profunda, que contagia a todos.
A AFBEPA deseja a todos os bancários e bancárias do Banpará, a todos os seus familiares um Círio de luz, alegria, comunhão, amor e fé.

Que Nossa Senhora de Nazaré abençoe e ilumine o nosso lar, familiares e amigos, e que o domingo seja repleto de amor, luz, fraternidade, comunhão, paz, felicidade, saúde, fé e esperança e que nos abençoe hoje e sempre!

QUE O AMOR SEJA A LUZ DA HUMANIDADE!


Feliz Círio!

MARIA DE NAZARÉ

Maria de Nazaré
Maria me cativou
Fez mais forte a minha fé
E por filho me adotou.

Às vezes eu paro e fico a pensar
E sem perceber me vejo a rezar
E meu coração se põe a cantar
Pra virgem de Nazaré.

Menina que Deus amou e escolheu
Pra Mãe de Jesus, o filho de Deus
Maria que o povo inteiro elegeu
Senhora e Mãe do céu
Ave, Maria, Ave, Maria...

UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Texto: Gleici Correa

Assessoria de Imprensa

UNIDADES DO BANPARÁ SÃO ALVOS DE QUADRILHAS


Em menos de uma semana, duas unidades do Banpará foram alvos de quadrilhas. Primeiro, houve uma tentativa de arrombamento do caixa eletrônico da Seduc na madrugada do dia 30 de setembro, em que os bandidos agrediram o vigilante. A segunda situação ocorreu na agência de Eldorado de Carajás, na madrugada do dia 5 de outubro, quando uma quadrilha explodiu os caixas eletrônicos tanto do Banpará quanto da agência do Banco da Amazônia – Basa.










 

Durante a ação em Eldorado dos Carajás, os assaltantes bloquearam a saída da cidade. Ao chegar à agência, renderam o vigilante e realizaram a ação com êxito. Nas duas situações, as quadrilhas levaram as armas e os coletes usados pelos vigilantes.

 








A AFBEPA entende que é necessário redobrar a segurança e os cuidados nas unidades dos Bancos, principalmente nesse período em que as quadrilhas estão ávidas por dinheiro fácil e essas investidas criminosas contra os estabelecimentos financeiros se tornam ainda mais frequentes.

Felizmente não houve uma grande lesão à vida dos vigilantes, mas, esses fatos, já servem como demonstração de como o fim de ano está iniciando, portanto, investir na prevenção é a melhor solução. Que os Bancos redobrem os cuidados com a segurança dos seus empregados, pois a vida dos seus trabalhadores é o Bem maior dessas instituições.

UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Texto: Gleici Correa

Assessoria de Imprensa