sexta-feira, 30 de setembro de 2016

BANPARÁ AJUIZA INTERDITO CONTRA AFBEPA. GREVE TEM DE SER ABRAÇADA PELO FUNCIONALISMO E FICAR MAIS FIRME EM RESPOSTA AO DESCASO

O Banco do Estado do Pará ajuizou interdito proibitório, com pedido liminar, contra a AFBEPA no início da tarde de hoje como forma de desestabilizar a nossa greve e agir contra as nossas justas reivindicações. Com o interdito, o piquete não pode se posicionar na entrada das unidades do Banpará.

A nossa greve continua e tem de ser abraçada por todos que ainda estão trabalhando, isso nos ajudará a pressionar a Direção do Banco. 

A AFBEPA ressalta que, para a greve finalizar, é preciso que o Sindicato chame assembleia e nela seja aprovada, pela categoria, a proposta do Banco. 

A AFBEPA alerta que a greve continua normalmente, apenas ficou proibido impedir o acesso das pessoas às dependências do Banco, sob pena de multa diária. O Advogado da AFBEPA já está tomando as providências para cassar esse interdito. 


UNIDOS SOMOS FORTES! 

A DIREÇÃO DA AFBEPA 

Assessoria de Imprensa 































































































PIQUETES SE FORTALECEM NA PRESIDENTE VARGAS

Após 25 dias de greve, sem nenhuma resposta por parte da Direção do Banpará, hoje (30) o autoatendimento da Agência Matriz Presidente Vargas foi paralisado como forma de protesto contra o desrespeito e opressão que a Diretoria do Banco tenta impor. “Não adiantava mais fazer uma greve onde tudo continua funcionando e a Diretoria do Banco não se sente pressionada”, diz a presidenta da AFBEPA, Kátia Furtado.



O sistema do autoatendimento, o home bank (que é a realização de operações financeiras via internet de onde o usuário estiver) e os pontos de atendimento diversificados dificultam e agem contra a greve da categoria, fazendo com que a greve perdure por muito tempo e impossibilite que os trabalhadores saiam com conquistas ou com minguados R$ 10, como foi no abono academia do ano passado.

O Banco ainda utilizou o dinheiro do PAS/CAFBEP de forma indevida pois eram valores que não tiveram prestação de contas para os participantes. “Alguma atitude precisava ser tomada pelo Sindicato, que não o fez. A forma de atuação da AFBEPA está correta, pois num momento como este, toda a pressão é válida para que possamos alcançar conquistas nas negociações”, frisou a presidenta.

Infelizmente, mais uma vez, a AFBEPA teve que segurar sozinha o movimento contra a Direção do Banpará, sem o apoio da entidade que tem mais força legal para caminhar junto com a nossa Associação. A Direção do Banpará brinca e desrespeita os funcionários no momento da sua data-base. “Hoje faz 25 dias que não dão as horas para nós!”, disse a presidenta.

A AFBEPA lembra ao Banpará que é com o esforço de seu funcionalismo, o qual só vem sendo desrespeitado, que a empresa lucrou, só no primeiro semestre deste ano, o dobro do que foi obtido no mesmo período do ano passado.

Vamos continuar na luta. Se a Direção do Banco queria Mesa de Negociação, não é o fato de o autoatendimento da Agência Belém Centro estar fechado – enquanto todos os das demais agências estão abertos – que causa a inviabilidade da Mesa, visto que vários autoatendimentos de outros Bancos, como Caixa Econômica e Banco do Brasil, também estão fechados.

Abaixo o desrespeito!
Abaixo o descaso!
Abaixo a exploração!
Abaixo o assédio!
Abaixo a opressão!


UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Assessoria de Imprensa

TUMULTO MARCA INÍCIO DO 25º DIA DE GREVE NO BANPARÁ

Na manhã de hoje, pouco antes das 9 horas, a Diretoria do Banpará, juntamente com alguns assessores, tentou entrar a força na Agência Matriz Presidente Vargas, empurrando os colegas do comitê de convencimento, assediando os colegas que estavam do outro lado da rua e causando muita confusão e empurra-empurra, demonstrando total desrespeito ao movimento que luta há 25 dias por reajuste salarial que reponha a inflação mais ganho real, promoções por antiguidade e merecimento no PCS, segurança preventiva contra o “sapatinho”, entre outros. A intransigência dos Banqueiros em não negociar e nem dialogar faz com que a greve continue.



Desde as 5 horas de hoje, o comitê de convencimento está na frente da Agência Matriz conversando com os colegas para que façam adesão à nossa greve. O autoatendimento foi fechado. De acordo com a presidenta da AFBEPA, Kátia Furtado, a pressão da polícia, da Direção do Banco e de outras pessoas foi muito forte contra a nossa Associação. “Mas resistimos! O objetivo dessa maior pressão é buscar a Mesa de Negociação e a efetividade dela”, disse a Presidenta.


UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Assessoria de Imprensa
Fotos: Assessoria de Imprensa do Sindicato dos Bancários.

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

24º DIA DE LUTA: BANQUEIROS QUEREM NOS MANTER NO ARROCHO

Em repúdio ao retrocesso apresentado em Mesa de Negociação ontem, pela Fenaban, a AFBEPA reforçou o movimento hoje (29), intensificando o comitê de convencimento desde o início da manhã para que os colegas façam adesão à nossa greve.


Os Bancos propõem 7% de reajuste nos salários e abono de R$ 3,5 mil. Ocorre que, para 2017, os Bancos já sinalizam a celebração de acordo onde o que for pactuado tenha validade de dois anos, mais reposição pela inflação para o ano que vem e 0,5% de ganho real. Essa proposta, além de acabar com o movimento de greve da categoria, causa grandes perdas aos salários dos trabalhadores, pois, da inflação deste ano, de 9,62%, os banqueiros só repõem 7% e, ano que vem, só darão a inflação mais 0,5% de ganho real, ou seja, ficaremos com prejuízo de 2,12%, além de prejudicar as outras pautas que a cada ano temos de reivindicar.

“É inegociável um reajuste de 7%. Os Banqueiros querem nos deixar num arrocho salarial maior do que já vivemos. Já tivemos muitas perdas salariais no passado. Não aceitamos o que os Banqueiros querem fazer com a gente, causando mais prejuízos para as nossas vidas”, diz a presidenta da AFBEPA, Kátia Furtado. 

“Esperamos que a Direção do Banpará tenha responsabilidade com a vida dos seus funcionários e não nos crie uma situação de miséria como o que foi, em outros tempos, colocado aos colegas aposentados, que hoje vivem sem dinheiro até para pagar o seu plano de saúde”, ressalta a presidenta.


UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Assessoria de Imprensa

ASSEMBLEIA EXTRAORDINÁRIA


Na terça-feira, 27, ocorreu uma Assembleia Extraordinária a fim de deliberar acerca de diversos assuntos. Entre eles, autorizar o ajuizamento de novas ações judiciais, bem como prestar esclarecimentos sobre a Ação do Vale Alimentação e a Desaposentação.


Sobre o Vale Alimentação, noticiamos recentemente com muita satisfação a vitória da ação judicial movida pela AFBEPA. Desta vez, a questão era reconhecer a natureza salarial do auxílio alimentação recebido pelos funcionários que ingressaram no Banpará antes de 1988.

O que isso quer dizer?

Reconhecer a natureza salarial significa dizer que o valor recebido a título de auxílio alimentação integra a remuneração e tem reflexos sobre outras parcelas, tais como: férias + 1/3; 13º Salário; Repouso Semanal Remunerado – RSR; adicional por tempo de serviço, FGTS e horas extras.

Por que mudou?

Em 1988, o Banco aderiu ao Programa de Alimentação do Trabalhador – PAT (Lei nº 6.321/76). Nesse Programa o vale-alimentação fornecido pela empresa não tem natureza salarial, ou seja, não incorpora à remuneração. Por este motivo, não teria mais reflexos sobre as demais parcelas que integram o salário. 

Todavia, não houve uma consulta aos funcionários da época se estes teriam interesse em migrar para o programa. Foi uma decisão unilateral do Banco, que trouxe prejuízos financeiros aos trabalhadores.

Quem tem direito?

Funcionários do banco que sejam associados da AFBEPA e que tenham sido admitidos até dezembro de 1987.

Aposentados ativos e inativos terão direito? 

Sim! Desde que sejam associados da AFBEPA e tenham sido desligados a partir de outubro de 2011.

Qual período será utilizado para cálculo?

Últimos cinco anos a partir do ajuizamento, ou seja, a ação foi proposta em setembro de 2013, portanto, o direito será calculado de setembro de 2008 até o dia em que a parcela for incorporada no contracheque.

O benefício vai continuar?

Sim! A ação demanda o pagamento das repercussões do auxílio-alimentação em parcelas vencidas e vincendas, ou seja, parcelas futuras. Desta forma, o auxílio alimentação voltará a ter natureza salarial.

É necessário ser associado da AFBEPA?

Sim! As entidades associativas se limitam a promover demandas apenas em favor de seus associados, pois atuam como representante processual dos empregados que são associados, conforme determina a legislação vigente.

A AFBEPA recebe algo para atuar no processo?

A AFBEPA não faz jus a nenhum valor nas ações coletivas e individuais demandadas na Justiça do Trabalho (Súmula nº 219 do TST), conforme já informamos em outra postagem. Atuamos apenas para defender os interesses dos nossos associados.

Em que estágio a ação se encontra?

Após a vitória em 2º grau, a ação se encontra em fase de execução provisória. Desta forma, o Banco já precisa garantir os valores devidos aos funcionários que ingressarem com a execução, para que se efetive o pagamento após o trânsito em julgado da ação.

Até quando pode ser ajuizada a execução individual?

Até 1 ano após o trânsito em julgado da ação, ou seja, da decisão final que não caiba mais recurso.


DESAPOSENTAÇÃO

Está marcada para o próximo dia 26 de outubro a retomada do julgamento sobre a desaposentação no Supremo Tribunal Federal. A votação interessa a milhões de segurados que se aposentaram, mas continuaram trabalhando e contribuindo com a Previdência Social. Com a possibilidade de desaposentação, o trabalhador poderia aumentar seu benefício com base nas contribuições posteriores à aposentadoria. 


No mais, estamos felizes com a participação dos associados em mais uma Assembleia, onde procuramos discutir assuntos de interesse da categoria e esclarecer pontos necessários, pois nossa Assessoria Jurídica não é aventureira! 

Nossas ações visam reparar prejuízos sofridos pelos empregados do Banco, sejam eles de caráter financeiro, moral, ajustes de horário e função, entre outros. Trabalhamos com transparência e muita responsabilidade, por isso, alertamos para que tenham cuidados com as informações falsas que têm circulado ultimamente.

Fiquem atentos a qualquer documentação que exija assinatura, para que depois não sejam intimidados a esperar por resultados futuros sem garantia alguma de êxito.


UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Com redação da Assessora Jurídica Shirley Araújo


MESA DE NEGOCIAÇÃO TERMINOU COM RETROCESSO E GREVE AVANÇA FIRME

Após mais de 3 horas, a nona Mesa de Negociação da Campanha Salarial 2016/2017 realizada ontem (28) entre a Contraf, representante dos trabalhadores, e a Fenaban, terminou com retrocesso em São Paulo. A Fenaban manteve a proposta de reajuste de 7% e R$ 3,5 mil de abono. Para 2017, a proposta é de reposição da inflação pelo INPC mais 0,5% de aumento real, com as outras parcelas da remuneração sendo corrigidas pelos mesmos índices. Ou seja, a Fenaban quer nos impor um retrocesso, um arrocho salarial, uma desvalorização sem precedentes, uma vez que não nos será dado o reajuste compatível com a inflação. Com a proposta, os Banqueiros querem destruir a nossa luta e nos enfraquecer.

A Contraf rejeitou a proposta em Mesa, e a Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Empresas de Crédito (Contec) vai reunir com a Fenaban amanhã, dia 30, ainda em horário a definir. É importante ressaltar que qualquer proposta em Mesa deverá ser aceita pelos trabalhadores em assembleia, pois nenhuma entidade tem o poder de firmar acordo sem antes ouvir seus trabalhadores. Até agora, nenhuma de nossas reivindicações foi atendida.

Neste momento, nossa orientação é que a greve continue forte em todo o Estado como protesto ao desrespeito e desvalorização com que os Banqueiros e as Direções dos Bancos Públicos vêm tratando as nossas reivindicações. Somente com a nossa mobilização e força vamos conquistar um acordo que atenda nossas demandas. A Mesa marcou o 23º dia de greve nacional dos Bancários.

Greve deve continuar firme e forte

A greve entra hoje no 24º dia e continuará por tempo indeterminado e ainda mais forte em repúdio a essa tentativa da Fenaban de querer atacar os trabalhadores, além de desrespeitar a população brasileira, que são clientes e usuários dos Bancos. Fiquem alertas e acompanhem o nosso site e redes sociais.


UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Assessoria de Imprensa da AFBEPA com informações da Contraf-CUT e Contec.




quarta-feira, 28 de setembro de 2016

NEGOCIAÇÃO COM FENABAN REINICIA NESTE MOMENTO

A Mesa de Negociação entre o Comando Nacional dos Bancários e a Fenaban, suspensa na noite de ontem, acaba de ser reiniciada em São Paulo. A rodada marca o 23º dia de greve nacional da categoria. Ontem, a Fenaban voltou à mesa a pedido da Contraf, representante dos trabalhadores, com uma proposta de novo modelo de acordo, com validade de dois anos (2016 e 2017). A AFBEPA entende que tal proposta é uma forma de encerrar com as negociações anuais e acabar com a unidade da categoria em prol de seus interesses em uma campanha salarial, e isso é inegociável. Queremos propostas dignas que contemplem a valorização da vida, além de segurança preventiva em relação ao sapatinho e promoções no PCS. Assim que tivermos novidades sobre a rodada, transmitiremos em nosso site e nas nossas redes sociais.



UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Assessoria de Imprensa da AFBEPA com informações da Contraf-CUT



terça-feira, 27 de setembro de 2016

REUNIÃO ENTRE CONTRAF E FENABAN SERÁ RETOMADA NESTA QUARTA, 28

Após mais de 4 horas, acaba de ser suspensa a Mesa de Negociação da Campanha Salarial 2016/2017 realizada entre o Comando Nacional dos Bancários e a Fenaban, em São Paulo. A reunião será retomada amanhã às 15h. A Mesa marca o 22º dia de greve dos Bancários e aconteceu em atendimento ao pedido feito pelo Comando Nacional da categoria.


UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Assessoria de Imprensa

A PEDIDO DA CONTRAF, REUNIÃO COM A FENABAN ACONTECE NESTE MOMENTO


Uma nova rodada de negociações está sendo realizada na tarde de hoje com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), em São Paulo. A reunião iniciou às 15 horas e acontece em atendimento ao pedido feito pelo Comando Nacional dos Bancários, que representa os trabalhadores em Mesa. Ainda não sabemos o que os Banqueiros vão propor nesta nova rodada, visto que a Mesa foi uma solicitação dos trabalhadores.

Na sexta-feira passada, 23, o Comando enviou um ofício a Fenaban solicitando a volta das negociações da Campanha Nacional. A direção dos Bancos e os Banqueiros parecem não perceber o tamanho da intransigência deles e o tamanho dos problemas que estão causando para a sociedade por não negociar com os trabalhadores a pauta de reivindicações.

Ag. Matriz Presidente Vargas
E o prejuízo é grande! A sala do autoatendimento da Agência Matriz Presidente Vargas ficou lotada durante toda a manhã de hoje, e na Agência Viseu não foi diferente. Há pouco dinheiro nas máquinas, há grande insegurança, que ronda as pessoas que estão sacando valores nos terminais, pois o correto seria o atendimento de todos dentro das unidades, onde poderiam pagar suas contas com mais segurança e conforto, além de realizar tranquilamente serviços como depósitos e transferências. “Eu fui assaltado com arma na minha cabeça, o ladrão levou meu cartão Banpará. Isso aconteceu antes da greve, então eu cancelei o cartão e pedi um novo, mas agora não posso receber porque não tem Caixa para entregar o cartão. E eu não tenho mais dinheiro, como fico?”, disse o usuário Francisco dos Santos, Engenheiro.
 
Ag. Viseu

É preciso bom senso do Governador e dos Banqueiros, pois o caos com a falta de sensatez é grande. Por que essa intransigência, Governador? Por que o senhor não chama os trabalhadores para a Mesa?


É importante que a sociedade fique atenta para os balanços financeiros dos Bancos. Os lucros são altíssimos! Bancário ganha pouco, mas os Banqueiros ganham muito. Nesta terça-feira, 27, os bancários chegam ao 22º dia de greve sem previsão de término. Queremos valorização!

Assembleia Extraordinária – Lembramos que hoje também acontecerá Assembleia Geral Extraordinária Deliberativa para discussão e aprovação da Ação Coletiva referente ao gozo do intervalo de 10 minutos a cada 50 minutos trabalhados; e esclarecimentos sobre Ação Coletiva do Vale Alimentação. A primeira convocação será às 17h30 e a segunda, às 18h. O encontro acontece no auditório do Edifício Síntese Plaza, na Av. Senador Lemos, 791.


UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Assessoria de Imprensa da AFBEPA com informações da Contraf-CUT.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

GREVE COMPLETA 21 DIAS SEM CHAMADA PARA NOVA MESA DE NEGOCIAÇÃO


A greve dos trabalhadores do Banpará completa 21 dias nesta segunda-feira, 26, sem que nova proposta tenha sido colocada em Mesa de Negociação por parte dos banqueiros, e nenhuma proposta por parte da Direção do Banpará, que continuam mudos em relação às reivindicações da categoria por reajuste salarial de 14,77% (inflação de 9,77% e ganho real de 5%), Plano de Cargos e Salários (PCS) e melhores condições de trabalho. Por isso, os funcionários se reuniram em frente à Matriz Presidente Vargas para a realização de um ato em protesto ao silêncio e ao descaso com que o Banpará e o Governo do Estado vêm tratando a pauta de reivindicações do funcionalismo.

Luto pelo descaso com o Funcionalismo

Ag. Matriz Presidente Vargas

AG. SÃO MIGUEL – Funcionários do Banpará de São Miguel do Guamá retornaram hoje ao trabalho após terem decidido paralisar as atividades em reunião com a AFBEPA, no último dia 20 de setembro, aderindo à greve dos bancários e bancárias. A AFBEPA entende que tal iniciativa significa um grande retrocesso neste momento de greve que nós, trabalhadores, estamos vivendo coletivamente, com a Direção do Banpará endurecida e o Governador mantendo o silêncio, não se posicionando acerca das nossas reivindicações.

Visita de conscientização à Ag. São Miguel
É preciso manter o espírito de solidariedade e coleguismo neste momento, e somar conosco nesta luta por reajuste salarial e melhores condições de trabalho. É preciso conscientização para abraçar a nossa causa. Não podemos derrotar a nossa luta, por isso nossa união é essencial neste momento fundamental para todos nós.


UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Texto: Giselle Mousinho
Assessoria de Imprensa

FUNCIONÁRIO DE IPIXUNA SOFRE VIOLÊNCIA DO SAPATINHO NA MANHÃ DE HOJE, 26

O gerente do Banpará de Ipixuna e sua família foram surpreendidos na madrugada de hoje, 26, por quatro bandidos que invadiram sua residência por volta das 4h30 e sequestraram sua esposa, o enteado de 15 anos e a filha de 2 anos, levando o veículo da família e ordenando que o gerente fosse até o Banco pegar o dinheiro para entregar à quadrilha.

“Pois é, a falta de segurança preventiva em relação ao crime do sapatinho é uma das reivindicações dos trabalhadores que não têm respostas da Direção do Banpará, recordista em assaltos dessa modalidade no Estado”, diz a presidenta da AFBEPA, Kátia Furtado. “O Banpará diz que faz investimento em segurança e não vemos isso demonstrado, pois até hoje, que a AFBEPA saiba, é o próprio bancário que tem gastado do seu salário para investir na segurança de sua residência como forma de prevenir o sapatinho”, afirma.

“A segurança preventiva em relação ao sapatinho é um dos pontos que queremos respostas, mas a empresa não dá, por isso, hoje amanhecemos de luto como forma de manifestar o nosso repúdio em relação a esse descaso, para demonstrar nossa insatisfação com o Banpará e com os banqueiros”, acrescenta Cris Quadros, vice-presidenta da AFBEPA.

O “sapatinho” é uma modalidade de assalto que ocorre na residência do(a) bancário(a), onde os assaltantes invadem a residência do(a) trabalhador(a), sequestram a família e o(a) obrigam a se dirigir à unidade bancária para entregar todo o dinheiro do Banco e, só então, libertar os familiares. A pressão psicológica é a característica marcante desse crime. Há poucos instantes, recebemos a informação de que a família do bancário foi deixada em Marituba. Que Nossa Senhora coloque sua mão estendida em direção aos bancários!


UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DELIBERATIVA

A ASSOCIAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS DO BANPARÁ - AFBEPA, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 15.321.144/0001-17, convoca todos os associados para a Assembleia Geral Extraordinária que será realizada no dia 27 de setembro de 2016, em primeira convocação às 17h30 e em segunda convocação às 18h, no auditório do Edifício Síntese Plaza, situado na Av. Senador Lemos, 791, para discussão e aprovação da seguinte ordem do dia:

1 – Ação Coletiva referente ao gozo do intervalo de 10 minutos a cada 50 minutos trabalhados;
2 – Esclarecimentos sobre Ação Coletiva do Vale Alimentação; e
3 – O que ocorrer.
 
 
Belém, 23 de setembro de 2016

SENHOR GOVERNADOR, ATENDA ÀS NECESSIDADES DA POPULAÇÃO E DOS FUNCIONÁRIOS DO BANPARÁ. QUEREMOS RESPOSTAS ÀS NOSSAS REIVINDICAÇÕES!

A greve dos trabalhadores do Banpará completa hoje (23) 18 dias sem que nenhuma proposta digna tenha sido apresentada em Mesa. A categoria bancária tem a sua data-base em 1º de setembro e este é o momento para negociar as suas justas reivindicações. Coincidentemente, neste mesmo período de reivindicações ocorre o Círio de Nossa Senhora de Nazaré em Belém. Os bancários lamentam que não haja por parte dos banqueiros e direções dos bancos o discernimento necessário para, em Mesa de Negociação, resolver a greve.

Senhor Governador, a população e os bancários do Banpará precisam que o senhor se manifeste, pois na segunda-feira, por irresponsabilidade da Direção do Banco, o Funcionalismo Público do Estado pode vir a ter os seus salários pagos apenas no autoatendimento, o que causará prejuízo e insegurança para todos.

Colegas da Ag. Goianésia
A GREVE segue firme e forte nas Agências e nas unidades da matriz do Banpará, com a grande maioria dos funcionários aderindo ao nosso movimento, resguardando apenas os serviços essenciais e o autoatendimento – que está funcionando de forma parcial. Hoje, a Agência Goianésia aderiu à nossa greve. Parabéns aos colegas de Goianésia, pois estão entendendo a importância da nossa unidade! Enquanto a Direção do Banco mantiver o descaso em lidar com nossas reivindicações, a greve continua, pois o lucro dos Bancos é muito alto e deve ser devolvido em melhorias salariais e condições de trabalho para os empregados, e melhorias sociais para a população.


UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Assessoria de Imprensa

BANPARÁ CONTINUA EM GREVE DEVIDO AO DESCASO DA DIREÇÃO

A GREVE está firme e forte nas Agências e nas unidades da matriz do Banpará neste 18º dia de paralisação, com a maioria dos funcionários aderindo ao movimento, resguardando apenas os serviços essenciais e o autoatendimento – que está funcionando de forma parcial. Enquanto a Direção do Banpará mantiver o descaso em lidar com as nossas reivindicações, a greve continua. A AFBEPA lamenta o fato de que alguns poucos funcionários continuam trabalhando, não tendo a necessária consciência da imperatividade de abraçar a nossa causa. Aguardamos a boa vontade do Governador de buscar restabelecer as atividades dos serviços bancários, resolvendo o descaso com que a direção do Banpará está atuando.


UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Assessoria de Imprensa

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

DIREÇÃO DO BANPARÁ NÃO NEGOCIA E GREVE SEGUE PREJUDICANDO A POPULAÇÃO

Funcionários e funcionárias do Banpará chegam hoje (22) ao 17º dia de greve intensificando a luta em resposta ao silêncio dos banqueiros e das direções de Bancos públicos, que continuam mudos em relação às reivindicações da categoria por reajuste salarial, Plano de Cargos e Salários (PCS) e melhores condições de trabalho. Diante de tamanha intransigência da Direção do Banpará – por ser a mesa de negociação específica em Belém – apelamos ao Governador do Estado para que intervenha no sentido de pedir bom senso da administração do Banpará para a pauta de reivindicações dos trabalhadores. “O Governador precisa chamar a Direção do Banco para negociar e apresentar propostas decentes que contemplem as reivindicações da categoria”, diz a presidenta da AFBEPA, Kátia Furtado.

Até o momento, nenhuma chamada para nova rodada de negociações foi apresentada. A preocupação é que, na próxima segunda-feira, dia 26, inicia-se o pagamento dos salários do funcionalismo público do Estado, o que deveria ocorrer, por parte da Direção do Banpará, a apresentação de propostas para que os trabalhadores saiam da greve e, assim, evitar mais prejuízos para quem precisa utilizar o Banco.

O Governador não deve deixar que continue o descaso em relação a negociação das reivindicações dos trabalhadores, pois isso impacta diretamente na população que precisa ter garantido o serviço bancário do único Banco Estadual do Pará. Precisamos de sensatez. O momento pede resolução do impasse, então que o Governador dê essa resposta para a população paraense.


UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Assessoria de Imprensa

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

AGÊNCIA TUCURUÍ DE GREVE AMANHÃ


A partir desta quinta-feira, dia 22, os colegas da Agência Tucuruí entram de greve por tempo indeterminado por melhores salários e condições de trabalho, reforçando o movimento da categoria.


UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Assessoria de Imprensa

QUEREMOS NEGOCIAÇÃO DAS NOSSAS REIVINDICAÇÕES. GREVE CONTINUA!

Os bancários e bancárias chegam hoje (21) ao 16º dia de greve sem nenhuma nova proposta por parte dos Banqueiros e com as Direções dos Bancos totalmente mudas.

Enquanto nenhuma proposta decente e que fale com as nossas reivindicações for apresentada, a greve continua firme e forte. O que queremos não é nada que os Bancos – setor que mais lucra no Brasil – não possam pagar: reajuste digno, promoções, valorização dos pisos, Anuênio dobrado e melhor distribuição da PLR, além de segurança preventiva e melhores condições de trabalho.

CONSCIENTIZAÇÃO – Uma equipe formada por membros da AFBEPA e Bancários do Banpará visitou ontem, dia 20, as Agências dos municípios de São Miguel do Guamá, Bonito e Santa Maria do Pará, realizando uma importante ação de conscientização aos bancários e bancárias que ainda estavam trabalhando. “A viagem foi muito produtiva. Reunimos com os colegas e explicamos que não podemos derrotar a nossa luta, por isso nossa união é essencial neste momento”, disse a presidenta da AFBEPA, Kátia Furtado. A partir desta quarta-feira, 21, essas Agências passam a aderir ao movimento, totalizando 80 Agências do Banpará paradas em todo o Estado.

De acordo com a presidenta, o gerente da Agência São Miguel não quis apertar as mãos da equipe. A Direção da AFBEPA lamenta a postura típica de empregador do colega, que deveria se portar como um bancário como realmente é, e lutar juntamente com o funcionalismo por valorização. Por isso, colegas, temos que reforçar o nosso movimento, e as unidades que estão com o autoatendimento funcionando, devem reduzi-lo para a metade.

GREVE É DIREITO SEU. NÃO SE DEIXE INTIMIDAR

A greve é um direito estabelecido pela lei de greve nº 7.783/89, que garante aos trabalhadores a possibilidade de paralisação coletiva do trabalho. É uma forma legítima que os empregados têm de pressionar o patrão por aumento salarial e por melhorias nas condições de trabalho. 

Os bancos não podem impedir a categoria de exercer um direito garantido por lei. Além disso, os empregadores não podem aplicar nenhum tipo de penalidade aos grevistas. Práticas como essas podem e devem ser denunciadas, pois são posturas antissindicais. Fique atento! Defenda o seu direito!


UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Assessoria de Imprensa

terça-feira, 20 de setembro de 2016

15 DIAS DE GREVE: A CULPA É DOS BANQUEIROS E DIRETORES DOS BANCOS

A greve dos Bancários e Bancárias chega hoje ao 15º dia em decorrência da intransigência e do descaso dos Banqueiros e Direções dos Bancos, que até agora só ofereceram propostas indignas nas Mesas de Negociação.

Enquanto trabalhadores que somos, a nossa luta é por reivindicações que melhorem nossas condições de trabalho. A Direção do Banpará parece não entender isso. Prefere insistir em oferecer as propostas rebaixadas da Fenaban ao invés de promover uma rodada de negociação que retire o seu funcionalismo da greve.

Descortina-se, a partir da semana que vem, o pagamento dos salários do funcionalismo público do Estado, o que deveria ensejar, por parte da Direção do Banpará, a demanda para uma nova Mesa na qual se negocie de fato as principais reivindicações dos bancários e bancárias do Banco. A Direção do Banpará precisa ter sensatez para evitar mais prejuízos para a sociedade e para a empresa.

Queremos Valorização! Queremos Segurança! Queremos melhores salários e condições de trabalho! Queremos um Comitê Disciplinar Deliberativo! Queremos Processo Seletivo interno! E temos assegurado o direito de greve! Por isso, colegas, caso ocorram situações de intimidação ao direito de GREVE do trabalhador, não deixem de denunciar esse tipo de postura à nossa Associação.

SÃO MIGUEL DO GUAMÁ – Os colegas da Agência São Miguel do Guamá, que até ontem estavam trabalhando normalmente, aderiram à greve hoje, dia 20, após uma conversa de conscientização sobre as principais reivindicações e o direito de greve garantido por lei, reforçando o movimento da categoria.


ASSEMBLEIA EXTRAORDINÁRIA – Na tarde de hoje, às 16h, será realizada assembleia extraordinária na sede do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários no Estado do Pará (SEEB-PA), para debater sobre a organização do movimento.


UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

Assessoria de Imprensa

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

GREVE DOS BANCÁRIOS E BANCÁRIAS CONTINUA POR TEMPO INDETERMINADO

A greve dos bancários completa 14 dias nesta segunda-feira, 19. Na sexta-feira passada, 16, a AFBEPA divulgou o Comunicado nº 003/2016, onde a Direção do Banpará apresenta uma síntese de suas propostas para a Campanha Salarial 2016/2017. Porém, grande parte dessas propostas já existe no Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) 2015/2016, ou seja, já são direitos dos bancários e bancárias. Ainda de acordo com o Comunicado, a Direção do Banco remete as questões financeiras à mesa da Fenaban. Com isso, a Diretoria do Banpará, em mais um ano, demonstra total desinteresse e descaso em negociar, e não resolve nada



Até o momento, não há chamada para nova Mesa de Negociação local nem nacional. A última Mesa da Fenaban aconteceu na quinta-feira, dia 15, quando nenhuma proposta digna foi apresentada e, por conta disso, a greve deve ser reforçada e ampliada.

O Funcionalismo luta por:

GARANTIA das Promoções por Antiguidade e Merecimento em janeiro de 2017; 
CONCESSÃO do Anuênio dobrado; 
AUMENTO em mais 5% no Ticket Alimentação, acima da Fenaban; 
CONCESSÃO de Cesta Alimentação Aniversário
CONCESSÃO de 2% a mais na PLR Social Linear
LIBERAÇÃO de mais um Diretor para a AFBEPA; 
ISONOMIA de tratamento à Diretoria da AFBEPA para participação em cursos, como é feito com os Delegados Sindicais; 
REALIZAÇÃO de Processo Seletivo interno
DELIBERAÇÃO das decisões do Comitê Disciplinar; 
DESCONTO para o Plano de Saúde sobre salário e Anuênio
SEGURANÇA PREVENTIVA aos colegas vítimas de sapatinho e demais violências sofridas nos locais de trabalho. 


UNIDOS SOMOS FORTES! 

A DIREÇÃO DA AFBEPA 

Assessoria de Imprensa

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

AFBEPA REPROVA COMUNICADO DIVULGADO PELA DIRETORIA


O Comunicado nº 003/2016 divulgado na tarde de ontem, 15, pela Diretoria do Banpará, ofende a inteligência dos trabalhadores e parece não levar a sério a greve da categoria, pois propõe direitos já existentes em Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) e remete as questões financeiras à mesa da Fenaban.

“Parece que a intenção é deixar os trabalhadores mais um ano no arrocho, sem dinheiro suficiente para pagar as suas contas e, assim, desvalorizar a vida de quem tanto se dedica ao Banco”, enfatiza a presidenta da AFBEPA, Kátia Furtado.

A Primeira Secretária da AFBEPA, Joventina Marques, pede maior adesão aos colegas: “Que todos façam sua parte na próxima segunda-feira, comprometendo-se com o sucesso da nossa greve”. Segundo Joana Borges, Segunda Tesoureira, “temos que mostrar o nosso inconformismo e o nosso repúdio com o que os Banqueiros e Direções dos Bancos Públicos vêm fazendo conosco em Mesa, nos dando nada!”, disse.

A AFBEPA repudia essa tentativa da Direção do Banpará de brincar com as nossas vidas e, por conta disso, que a nossa resposta seja a nossa unidade e a greve mais forte.

ENQUANTO A FENABAN E AS DIREÇÕES DOS BANCOS PÚBLICOS NÃO NEGOCIAREM, A GREVE CONTINUA

A greve dos bancários completa 11 dias nesta sexta-feira, 16. São 79 agências do Banpará fechadas em todo o Estado e seis parcialmente paradas. Na tarde de ontem, 15, uma nova rodada de enrolação foi realizada pela Fenaban, em São Paulo, pois nenhuma proposta digna foi apresentada e, por isso, as atividades bancárias continuam suspensas por tempo indeterminado, funcionando apenas os serviços de compensação e autoatendimento.

Os colegas precisam se conscientizar e parar o serviço interno, intensificando a luta por melhorias de interesse da categoria, visto que a greve é um direito nosso garantido por lei.

As agências que estiverem funcionando e os colegas que ainda estiverem trabalhando precisam vir para a luta e aderir à nossa greve. Esta é a hora de fazermos uma mobilização mais forte. QUEREMOS UMA PROPOSTA DECENTE!

Os Bancos têm lucros altíssimos conquistados com o suor do nosso trabalho e, ainda assim, continuam insistindo em propostas desrespeitosas e inaceitáveis. Não é possível que nós trabalhadores continuemos a mercê de tamanha falta de consideração e reconhecimento, e nem podemos acatar intimidações. Queremos dignidade, valorização e segurança em nossa vida laboral.

A NOSSA LUTA É POR:

GARANTIA das Promoções por Antiguidade e Merecimento em janeiro de 2017; 
CONCESSÃO do Anuênio dobrado; 
AUMENTO em mais 5% do Ticket Alimentação, acima da Fenaban; 
CONCESSÃO de Cesta Alimentação Aniversário
CONCESSÃO de 2% a mais na PLR Social Linear
LIBERAÇÃO de mais um Diretor para a AFBEPA; 
ISONOMIA de tratamento à Diretoria da AFBEPA para participação em cursos, como é feito com os Delegados Sindicais; 
REALIZAÇÃO de Processo Seletivo interno
DELIBERAÇÃO das decisões ao Comitê Disciplinar; 
DESCONTO para o Plano de Saúde sobre salário e Anuênio
SEGURANÇA PREVENTIVA aos colegas vítimas de sapatinho e demais violências sofridas nos locais de trabalho. 


UNIDOS SOMOS FORTES! 

A DIREÇÃO DA AFBEPA 

Assessoria de Imprensa






"SE O BANPARÁ NÃO NOS VALORIZAR, NÃO VAMOS TRABALHAR"

A AFBEPA agradece o envio, em um dos nossos grupos do whatsapp, da contribuição de um colega bancário do Banpará e compartilha com todos o conteúdo como forma de incentivar e fortalecer a nossa luta:

“SE O BANPARÁ
NÃO NOS VALORIZAR
NÃO VAMOS TRABALHAR
GREVE CONTINUARÁ
E SE FORTALECERÁ
LUTAMOS É PRA GANHAR.
E PARA QUEM TÁ TRABALHANDO.
MOSTRE QUE VOCÊ TEM FORÇA, E VEM LUTAR COM A GENTE VOCÊ TAMBÉM.
VVEEEEEMMMM.
UNIDOS SOMOS FORTES”


UNIDOS SOMOS FORTES

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

SEM NEGOCIAÇÃO, GREVE CONTINUA EM RESPOSTA AO DESRESPEITO DOS BANQUEIROS

No décimo dia de greve nacional dos Bancários, a nova rodada de negociação realizada entre os Sindicatos da categoria e a Fenaban, na tarde de hoje, em São Paulo, nenhuma proposta foi apresentada e a patronal insiste no índice de 7%, inferior a inflação. Diante disso, a greve vai continuar ainda mais forte e a altura do desrespeito e desvalorização com que Banqueiros e as Direções dos Bancos Públicos vêm tratando as nossas reivindicações.


Para a presidenta da AFBEPA, Kátia Furtado, temos que intensificar a nossa greve como resposta a esse descaso com nossas reivindicações. “Entendo que temos que causar mais impacto, por isso a greve vai continuar mais fortalecida e da maneira mais ampla possível”, disse.

Segundo a Diretora Cris Quadros, os colegas que ainda estiverem trabalhando precisam se conscientizar da nossa luta e devem abraçar a nossa causa. “As agências que ainda estiverem funcionando devem manter apenas o serviço essencial, a compensação”, disse. A Mesa encerrou no início da noite sem data para nova negociação.


UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

(Assessoria de Imprensa da AFBEPA com informações da Contraf)




BANCÁRIOS E FENABAN ESTÃO EM MESA NESTE MOMENTO

Iniciou há pouco mais uma reunião de negociação entre os Sindicatos dos Bancários e o Sindicato Patronal. A Mesa está sendo realizada em São Paulo.

A AFBEPA aguarda o andamento da reunião para informações em breve, e orienta o funcionalismo do Banpará a continuar unido, firme e forte em NOSSA GREVE na LUTA por valorização e respeito!

UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA

(Assessoria de Imprensa da AFBEPA com informações da Contec)

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

BANQUEIROS DA FENABAN OFERECEM MIGALHAS E BANPARÁ, DESCASO. GREVE CONTINUA



A sétima rodada de negociação entre o Comando Nacional dos Bancários e a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) terminou sem avanços na tarde de ontem, 13, em São Paulo, e nova Mesa será realizada amanhã, às 16 horas. Os Bancos não apresentaram nada que pudesse retirar a categoria da greve, pelo contrário, continuam mantendo a proposta de reajuste de 7% nos salários, abaixo da inflação, e abono de R$ 3,3 mil, demonstrando total descompromisso com a vida da categoria.

No Banpará, desde a primeira Mesa até a última, realizada segunda-feira passada, 12, há um total descaso com a nossa pauta de reivindicações. Para Jô Marques “a categoria ficou longos anos a mercê de abono, o que deixou os salários defasados, perdendo o poder de compra. Abono não incide sobre FGTS, INSS, 13º salário, férias etc. Queremos reajuste salarial que reponha a inflação e mais o ganho real. Se o banqueiro quiser conceder o abono, que seja desvinculado do reajuste salarial.” 

“Nossas reivindicações para o Banpará são: segurança preventiva para os colegas que sofrem violência em suas casas por serem bancários (as vítimas de “sapatinho”); desconto no plano de saúde sobre salário e anuênio, pois os colegas reclamam que hoje o Banco desconta sobre todas as verbas salariais, sem que seja dada transparência do total descontado e do total repassado para a Unimed, explica a presidenta Kátia Furtado. 

SINDICATOS DOS BANCÁRIOS DEVEM REJEITAR PROPOSTAS REBAIXADAS EM MESA

É inconcebível a proposta de correção salarial de 7% e um abono vergonhoso de R$ 3,3 mil quando se compara os prejuízos de vida que a categoria amealha e os altíssimos lucros que os banqueiros e Bancos públicos ganham todos os anos. 

A categoria não pode mais admitir que a vida humana não seja considerada no processo de negociações salariais. Há prejuízos incalculáveis a cada ano que os trabalhadores são enganados com propostas rebaixadas e indecentes. 

Portanto, a AFBEPA entende que os Sindicatos representantes dos trabalhadores bancários devem rejeitar propostas rebaixadas e que os colegas devem fortalecer a nossa greve. Quem não aderiu, venha imediatamente se somar com a nossa luta. Temos que ser atuantes, pois a nossa união faz a diferença na hora da negociação. 

GREVE avança fortalecida no Estado e entra pelo 9º dia 

A Agência Juruti aderiu à Greve nesta quarta-feira, dia 14, e a Agência Alenquer informou que aguarda uma definição para a tarde de hoje, senão vai iniciar a Greve a partir de amanhã, 15.

O Funcionalismo só sai da greve se o Banpará: 

GARANTIR Promoções por Antiguidade e Merecimento em janeiro de 2017; 
CONCEDER Anuênio dobrado; 
AUMENTAR em mais 5% o ticket Alimentação, acima da Fenaban; 
CONCEDER Cesta Alimentação Aniversário
CONCEDER 2% a mais na PLR Social Linear
LIBERAR mais um Diretor para a AFBEPA; 
DAR isonomia de tratamento à Diretoria da AFBEPA para participação em cursos, como é feito com os Delegados Sindicais; 
REALIZAR Processo Seletivo interno
ASSEGURAR deliberação das decisões ao Comitê Disciplinar; 
REALIZAR desconto para o Plano de Saúde sobre salário e Anuênio
EFETIVAR Segurança Preventiva aos colegas vítimas de sapatinho e demais violências sofridas nos locais de trabalho. 

Veja abaixo o mapa atualizado da greve no Banpará: 

Agências que estão fechadas: 

1. Ag. Acará 
2. Ag. Anapú 
3. Ag. Anajás 
4. Ag. Altamira 
5. Ag. Abaetetuba 
6. Ag. Abel Figueiredo 
7. Ag. Baião 
8. Ag. Barcarena 
9. Ag. Barcarena-Centro 
10. Ag. Benevides 
11. Ag. Bragança 
12. Ag. Brejo Grande do Araguaia 
13. Ag. Breves 
14. Ag. Breu Branco 
15. Ag. Bujaru 
16. Ag. Cametá 
17. Ag. Canaã dos Carajás 
18. Ag. Capanema 
19. Ag. Castanhal 
20. Ag. Capitão Poço 
21. Ag. Conceição do Araguaia 
22. Ag. Concórdia do Pará 
23. Ag. Curralinho 
24. Ag. Curuá 
25. Ag. Dom Eliseu 
26. Ag. Igarapé Açu 
27. Ag. Ipixuna 
28. Ag. Itaituba 
29. Ag. Itaituba Cidade Alta 
30. Ag. Itupiranga 
31. Ag. Jacundá 
32. Ag. Juruti 
33. Ag. Marabá 
34. Ag. Marabá Cidade Nova 
35. Ag. Marapanim 
36. Ag. Maracanã 
37. Ag. Marituba 
38. Ag. Medicilândia 
39. Ag. Moju 
40. Ag. Mojuí dos Campos 
41. Ag. Monte Alegre 
42. Ag. Mosqueiro 
43. Ag. Óbidos 
44. Ag. Ourilândia do Norte 
45. Ag. Oriximiná 
46. Ag. Paragominas 
47. Ag. Parauapebas 
48. Ag. Redenção 
49. Ag. Rio Maria 
50. Ag. Rondon do Pará 
51. Ag. Santa Bárbara 
52. Ag. Santa Isabel 
53. Ag. Santa Luzia do Pará 
54. Ag. Santarém 
55. Ag. Salvaterra 
56. Ag. Santa Maria 
57. Ag. São Caetano de Odivelas 
58. Ag. São Geraldo do Araguaia 
59. Ag. Soure 
60. Ag. Tailândia 
61. Ag. Tracuateua 
62. Ag. Vigia 
63. Ag. Viseu 
64. Ag. Vitória do Xingu 
65. Ag. Xinguara 

Unidades da Matriz que estão paradas: 

1. Call Center 
2. SUINF/GECAC 

As Unidades da Matriz Av. Presidente Vargas estão parcialmente paradas. 

Agências da Capital que estão paradas: 

1. Ag. Augusto Montenegro 
2. Ag. Belém – Centro 
3. Ag. BR Ananindeua 
4. Ag. Cidade Nova 
5. Ag. Empresarial 
6. Ag. Estrada Nova 
7. Ag. Icoaraci 
8. Ag. Nazaré 
9. Ag. Palácio 
10. Ag. Pedreira 
11. Ag. São Brás 
12. Ag. Senador Lemos 
13. Ag. Telégrafo 

Agências parcialmente paradas: 

1. Ag. Afuá 
2. Ag. Ananindeua 
3. Ag. Eldorado dos Carajás 
4. Ag. Goianésia 
5. Ag. Santo Antônio do Tauá 
6. Ag. São João de Pirabas 

Agências que não aderiram ao movimento: 

1. Ag. Água Azul do Norte 
2. Ag. Almeirim 
3. Ag. Bom Jesus do Tocantins 
4. Ag. Bonito 
5. Ag. Curionópolis 
6. Ag. Empresarial Santarém 
7. Ag. Faro 
8. Ag. Igarapé-Miri 
9. Ag. Limoeiro do Ajuru 
10. Ag. Muaná 
11. Ag. Novo Progresso 
12. Ag. Primavera 
13. Ag. Santana do Araguaia 
14. Ag. São Miguel do Guamá 
15. Ag. Tucumã 
16. Ag. Tucuruí 

Agências que a AFBEPA não conseguiu contato: 

1. Ag. Curuçá 
2. Ag. Salinópolis 
3. Ag. Sapucaia 
4. Ag. São Domingos do Capim 
5. Ag. Vitória do Xingu 


UNIDOS SOMOS FORTES! 

A DIREÇÃO DA AFBEPA 

Assessoria de Imprensa

terça-feira, 13 de setembro de 2016

MESA COM FENABAN É SUSPENSA SEM AVANÇOS

Não houve avanço na Mesa de Negociação realizada na tarde de hoje (13), em São Paulo, entre os Sindicatos da categoria dos bancários e bancárias e o Sindicato patronal. A Mesa foi suspensa e deverá ser retomada mais tarde. 

A AFBEPA aguarda a continuidade dessa Mesa e orienta os bancários do Banpará a continuarmos unidos, firmes e fortes em NOSSA GREVE. 

Queremos valorização e respeito! 

UNIDOS SOMOS FORTES! 

(Assessoria de Imprensa da AFBEPA com informações da Contec)

FUNCIONALISMO AGUARDA NOVA PROPOSTA DA FENABAN NESTA TARDE E A GREVE CONTINUA



Os Sindicatos da categoria dos bancários e bancárias e o Sindicato patronal vão reunir na tarde de hoje, 13, em São Paulo, para negociar as reivindicações da categoria. A AFBEPA alerta aos trabalhadores que mantenham a greve, pois ainda não recebemos nenhuma proposta que fale com os nossos anseios. A Mesa de hoje iniciará às 14h devendo continuar amanhã, 14.


A greve é um direito legítimo de todo trabalhador e, ao fazermos uso dela, buscamos melhorar o cenário de falta de interesse dos banqueiros em negociar as nossas justas reivindicações.

A presidenta da AFBEPA relembra aos colegas que ainda não aderiram ao movimento, que a compensação de horas não é a causa mais importante da nossa greve: “O importante é a união da categoria por melhorias salariais, por condições dignas de vida, por valorização, por respeito, pois agora é a hora da luta coletiva.”


Veja abaixo o mapa atualizado da greve no Banpará:

A Agência Capanema aderiu à Greve ontem, dia 12, e a Agência Afuá está parcialmente parada desde hoje. Já a Agência Alenquer informou que aguarda uma definição para a tarde de hoje, senão vai iniciar a Greve a partir de amanhã, 14.

Agências que estão fechadas:

1. Ag. Acará
2. Ag. Anapú
3. Ag. Anajás
4. Ag. Altamira
5. Ag. Abaetetuba
6. Ag. Abel Figueiredo
7. Ag. Baião
8. Ag. Barcarena
9. Ag. Barcarena-Centro
10. Ag. Benevides
11. Ag. Bragança
12. Ag. Brejo Grande do Araguaia
13. Ag. Breves
14. Ag. Breu Branco
15. Ag. Bujaru
16. Ag. Cametá
17. Ag. Canaã dos Carajás
18. Ag. Capanema
19. Ag. Castanhal
20. Ag. Capitão Poço
21. Ag. Conceição do Araguaia
22. Ag. Concórdia do Pará
23. Ag. Curralinho
24. Ag. Curuá
25. Ag. Dom Eliseu
26. Ag. Igarapé Açu
27. Ag. Ipixuna
28. Ag. Itaituba
29. Ag. Itaituba Cidade Alta
30. Ag. Itupiranga
31. Ag. Jacundá
32. Ag. Marabá
33. Ag. Marabá Cidade Nova
34. Ag. Marapanim
35. Ag. Maracanã
36. Ag. Marituba
37. Ag. Medicilândia
38. Ag. Moju
39. Ag. Mojuí dos Campos
40. Ag. Monte Alegre
41. Ag. Mosqueiro
42. Ag. Ourilândia do Norte
43. Ag. Oriximiná
44. Ag. Paragominas
45. Ag. Parauapebas
46. Ag. Redenção
47. Ag. Rio Maria
48. Ag. Rondon do Pará
49. Ag. Santa Bárbara
50. Ag. Santa Isabel
51. Ag. Santa Luzia do Pará
52. Ag. Santarém
53. Ag. Salvaterra
54. Ag. Santa Maria
55. Ag. São Caetano de Odivelas
56. Ag. São Geraldo do Araguaia
57. Ag. Soure
58. Ag. Tailândia
59. Ag. Tracuateua
60. Ag. Vigia
61. Ag. Viseu
62. Ag. Vitória do Xingu
63. Ag. Xinguara

Unidades da Matriz que se encontram paradas:

1. Call Center
2. SUINF/GECAC

As Unidades da Matriz Av. Presidente Vargas estão parcialmente paradas.

Agências da Capital que se encontram paradas:

1. Ag. Augusto Montenegro
2. Ag. Belém – Centro
3. Ag. BR Ananindeua
4. Ag. Cidade Nova
5. Ag. Empresarial
6. Ag. Estrada Nova
7. Ag. Icoaraci
8. Ag. Nazaré
9. Ag. Palácio
10. Ag. Pedreira
11. Ag. São Brás
12. Ag. Senador Lemos
13. Ag. Telégrafo

Agências parcialmente paradas:

1. Ag. Afuá
2. Ag. Ananindeua
3. Ag. Eldorado dos Carajás
4. Ag. Goianésia
5. Ag. Santo Antônio do Tauá
6. Ag. São João de Pirabas

Agência que vai parar a partir de quarta-feira (14):

1. Ag. Alenquer

Agências que não aderiram ao movimento:

1. Ag. Água Azul do Norte
2. Ag. Almeirim
3. Ag. Bom Jesus do Tocantins
4. Ag. Bonito
5. Ag. Curionópolis
6. Ag. Empresarial Santarém
7. Ag. Faro
8. Ag. Igarapé-Miri
9. Ag. Juruti
10. Ag. Limoeiro do Ajuru
11. Ag. Muaná
12. Ag. Novo Progresso
13. Ag. Óbidos
14. Ag. Primavera
15. Ag. Santana do Araguaia
16. Ag. São Miguel do Guamá
17. Ag. Tucumã
18. Ag. Tucuruí

Agências que a AFBEPA não conseguiu contato:

1. Ag. Curuçá
2. Ag. Salinópolis
3. Ag. Sapucaia
4. Ag. São Domingos do Capim
5. Ag. Vitória do Xingu

UNIDOS SOMOS FORTES!

A DIREÇÃO DA AFBEPA


Assessoria de Imprensa