quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Assembleia

NÃO QUEREM A AFBEPA NA NEGOCIAÇÃO. PARECE JOGO DE CARTAS MARCADAS.
Atendendo ao pedido massivo dos funcionários e funcionárias do Banpará, em que pese a vigência da Portaria 134/2014, da Presidência do Banpará, que são protagonistas de uma das mais fortes e verdadeiras greves de bancários do país, a AFBEPA se apresentou para participar da mesa de negociação nesta manhã, na sala de reuniões, no 5ª andar da Matriz do Banco, representada por sua vice-presidenta Cristina Quadros e pelo assessor jurídico, Dr. MárcioTuma.

Para a triste surpresa dos funcionários do Banpará, de imediato, à entrada da AFBEPA na sala, o representante da CONTRAF-CUT, num laivo de raivosidade sem limites, disse em alto e bom som que não aceitaria que a Associação dos Funcionários do Banpará compusesse à mesa, naquela reunião. Diante do que, a vice-presidenta da AFBEPA perguntou: "- Mas então a CONTRAF é contra a AFBEPA na mesa de negociação? É isso?" E ele respondeu, nervosamente, que sim.

A mesma pergunta Cristina Quadros dirigiu aos demais, que se dizem representantes dos bancários. E pasmem! A presidente do Sindicato disse que era contra e se retirou da sala de reuniões, e a representante da Fetec ficou calada e disse que queria falar na frente do Sindicato, mas como havia se retirado, calada continuou, e também se retirou. 

Entrou na sala, então, o diretor Braselino, representante do Banco na mesa e, em apoio à posição da Contraf e do Sindicato, mandou que a AFBEPA se retirasse da sala. Cristina Quadros, a representante da Associação dos Funcionários esclareceu ao diretor do Banco que infelizmente não poderia atendê-lo, pois ali estava para representar a categoria, e não para obedecer ao Banco (o que aliás, algumas entidades já obedecem muito bem, feito carneirinhos comportados na boca do lobo).

Na sala de reuniões ficaram apenas os representantes da AFBEPA, Cristina Quadros e Dr. Tuma e a advogada do Banco. Todos os demais - Banpará, Sindicato, Contraf e Fetec se retiraram. Alguma dúvida do porquê? Está claro, evidente! O que eles querem é essa negociação morna onde o Sindicato e o Banco ficam nos enfiando goela abaixo penduricalhos e varrendo pra debaixo do tapete as nossas reais necessidades e pedidos da pauta econômica.

É muito provável que, neste momento, estejam negociando a portas fechadas, em alguma sala trancada do Banco, a rendição das nossas vidas e da nossa luta. Só não querem a AFBEPA pra atrapalhar as cartas marcadas, claro!

O que representa para grande parte dessa direção sindical os anseios dos funcionários do Banpará? Nada. Eles obedecem é a negociação da mesa da FENABAN, onde sentam o que eles consideram os grandes Bancos: Banco do Brasil, Caixa e os privados. Só que eles esquecem que temos o menor salário, piso de R$-1.648,00, entre os Bancos públicos (BB e CEF o piso inicial é na faixa de R$-2.060,00), observem o disparate!! E, que precisamos de uma negociação local à altura da necessidade e da força de luta da nossa categoria.

Precisamos de mais salário, queremos percentuais maiores que os da Fenaban! Precisamos da volta do nosso tíquete, e que o Banco nos devolva o que nós emprestamos em 1998: 20% dos nossos salários por onze meses pra salvar o Banpará, dentre outras reivindicações!

Não entramos numa greve com 98% de paralisação para sair com penduricalhos! Basta!

A AFBEPA conclama que todo o funcionalismo fortaleça ainda mais a nossa greve e participe ativamente da assembleia de hoje, 02/10, às 15h, no Sindicato dos Bancários.
               UNIDOS SOMOS FORTES!!
 



Um comentário:

Anônimo disse...

É revoltante saber a atitude do Sindicato, perante a nossa associação.
Em vez de serem unidos, ocorre essa troca de farpas, acusações e afins.
Os funcionários do Banpara, sabem que o Sindicato não "liga" muito para nós e sim para os outros "grandes" Bancos. Isso, realmente é REVOLTANTE. Afinal de contas, não é o mesmo desconto no contracheque para quem é associado? Ou nós somos diferentes?
Palhaçada!!!