sexta-feira, 18 de outubro de 2013

ASSEMBLÉIA APROVA PROPOSTA DO BANCO. TEM FIM A GREVE NO BANPARÁ

Na reunião do TRT nesta sexta-feira, 18, o Banpará reapresentou a proposta rejeitada pela categoria bancária em assembléia, adendando uma PLR adicional por fora da regra da Fenaban, no percentual de 1,8% do lucro líquido. 

Vale ressaltar que no ano passado, a PLR adicional dentro da regra da Fenaban era composta de 2% mais 2% que o Banpará concedia, ou seja, era de 4%. 

Esse ano, o Banpará seguirá a Fenaban dando 2,2% de PLR adicional dentro da regra, e não mais dará os 2% de antes, mas dará 1,8% por fora da regra, perfazendo 4% de PLR adicional. 

Logo, assim ficará a PLR adicional: 2,2% dentro da regra e 1,8% fora da regra.

O Banco retroagiu quanto aos dias parados, agora determinando a compensação e não mais o abono, como foi garantido por vários anos anteriormente.

A proposta do Banco, aprovada na Assembleia dos bancários do Banpará é a seguinte:

Garantia das cláusulas e índices de reajuste fixados na CCT FENABAN.

REAJUSTE: Aumento do piso em 8,5% com repercussão na tabela do PCS, inclusive para o nível superior.

PCS - Promoção para todos que tenham completado no mínimo dois anos de Banco, em janeiro de 2014 (5% conforme a regra do PCS, excluindo os adoecidos, os que estão sob efeito de qualquer penalidade disciplinar e os que faltaram por 6 (seis) dias); e desatrelamento entre a promoção por merecimento por antiguidade, passando cada uma a ter contagem independente da outra, a contar de janeiro/2014, zerando a contagem anterior.

ANUÊNIO: Aumento de 50% no anuênio passando de R$ 26,88 PARA R$ 40,32.

PLR ADICIONAL: 1,8% distribuído linearmente fora da regra da FENABAN. Considerando que o Banpará tem uma previsão de lucro de R$ 140 milhões, isso corresponderia a um valor de R$ 1.652,46 para cada funcionário, dentro de um universo atual de 1.525 funcionários.

LICENÇA PRÊMIO: Os 06 dias adquiridos anualmente (após o primeiro quinquênio completado – regra do gozo anualizado) serão gozados em dias úteis.

TERAPIAS HOLÍSTICAS: Ampliação das sessões mensais de terapia holística de 250 para 300 terapias mensais.

MANUTENÇÃO DE CLÁUSULAS DO ACT ANTERIOR: Salvo as modificadas/substituídas por meio do presente Acordo, bem como as já cumpridas nos prazos fixados no citado instrumento normativo, resguardando-se direitos individuais de empregados eventualmente não beneficiados à época da concessão/implementação.

VALE CULTURA: O banco compromete-se a aderir ao Programa de Cultura do Trabalhador, visando à concessão de vale-cultura, no valor mensal de R$ 50,00 aos seus funcionários que recebam remuneração bruta mensal de até 05 salários mínimos, em conformidade com o disposto no art. 7º da Lei 12.671/2012. O início da concessão aguardará a contratação de empresa operadora do serviço que será realizada mediante processo licitatório.

DIAS PARADOS: O banco seguirá a FENABAN, com compensação de 1 hora por dia, de segunda a sexta-feira, até o dia 15 de dezembro. Porém, o banco aceitou abonar os Dias Nacionais de Luta contra o PL 4330 (11/07 e 30/08), assim como os dias de greve da semana corrente (de 15/10 a 18/10), o que equivale a uma compensação de 22% das horas paradas.

O Sindicato, a Contraf e a Fetec orientaram a aprovação da proposta. 

Kátia Furtado falando na Assembléia
A AFBEPA ponderou que a Greve estava forte e ainda havia espaço para que o Banco melhorasse a proposta, por exemplo: aumentando o percentual da PLR adicional por fora da regra da Fenaban e abonando os dias parados, como ocorria há seis anos.




A Assembleia dos Bancários do Banpará aprovou a proposta do Banco por ampla maioria, com apenas uma abstenção.




Fonte: Site do Sindicato dos Bancários, com edição do Blog da AFBEPA.






*


6 comentários:

Anônimo disse...

A ansiedade pela PLR; saturação de 30 dias em casa; impaciência em sorver mais do patrão, fez a categoria encerrar a greve. Nossa maior luta, a meta principal do movimento 2013 era o Ticket Extra, novamente vencido pelo banco. Não esperem mais esse tal Ticket, exceto se pressionarmos, em 2014, o candidato que for concorrer com o tucano no 2º turno. Votamos no senhor, caso volte o nosso benefício. Fora isso, digam adeus ao Ticket, enquanto os tucanos reinarem soberanos no Pará. Por isso que não vale a pena estar nessas assembléias, já que seremos sempre voto vencido. Parabéns ao colega que se absteve. Caso ainda seja bancário no ano que vem, pensarei bem em aderir a esses movimentos sempre derrotados. Parabéns, Kátia! Parabéns, AFBePa! Por vcs iríamos arrancar mais e mais. É decepcionante ser bancário atualmente no Brasil.

Anônimo disse...

Não temos nada o que comemorar, na minha opinião , tivemos mais perdas do q ganhos. Nos anos anteriores os dias parados eram abonados 100%, neste foram apenas 22%; nossa plr adicional foi ate o ano passado d 2% , neste apenas 1, 8%; nosso percentual d salario foi sempre acima d fenaban, neste foram aqueles ridiculos 8, 5%. Sem falar do nosso tíquete extra que nos roubaram na cara de pau pelo segundo ano consecutivo. Comemorar perdas tão significativas para nós trabalhadores, fala sério! Cade o ponto eletrônico? Será q alguém vai voltar a motivado a dar mais lucros para o Banpará?

Anônimo disse...

Achei um absurdo termos que pagar os dias de greve. O Banpará não paga nossas horas extras realizadas durante o ano inteiro. Ja está mais que na hora da afbepa e o sindicatos cobrar na justiça o nosso ponto eletrônico, e não deixar para o periodo de greve. Abraço e até a próxima campanha. Que espero q nao tenhamos tantas perdas

Anônimo disse...

O que fica é a sensação de que a cada ano estamos perdendo alguma coisa, já perdemos o ticket, o abono das faltas e 0,2% de acréscimo à PLR adicional, e no próximo ano, o que perderemos? A grande questão agora é não recuar, de certa forma ainda ganhamos, eles queriam dar quase nada, mas tivemos aumento econômico considerável no anuênio, por exemplo. Temos que continuar a fazer um movimento forte, sem temor! Todas essas atitudes do banco são para deixarmos de grevar no próximo ano, mas se não grevarmos saíremos apenas com Fenaban. Devemos mostrar nossa insatisfação, não atingir meta talvez deva ser nossa meta! Até a próxima luta, companheiros, firmes e fortes, sem medo de retaliações, é ano eleitoral e temos que aproveitar a oportunidade para expulsar o PSDB do poder através do voto democrático! Desistir nunca!

Anônimo disse...

Os 1,8% foi um acréscimo na nossa Participação nos Lucros e Resultados-PLR, uma vez que do percentual DE 2% contratado nos ACTs anteriores, entrava nos nossos bolsos apenas 0,63%, o restante ficava nas mãos do Banpará, devido à limitação da regra da FENABAN.
Hoje com esse Acordo, vamos levar de forma linear todo o valor que representa esse percentual.
É bom lembrar que só chegamos a esse percentual devido à força da greve, pois antes a maioria dos integrantes da mesa de negociação achavam excelente apenas o anuênio, a AFBEPA Não, para nós isso era insuficiente, nós entendíamos que era preciso lutar pelo retorno do nosso Tícket Extra e por garantia de promoções para todos.
O percentual de 1,8% não significa ter de volta o nosso Ticket Extra, de jeito nenhum, esse percentual apenas corrige a injustiça, de antes termos um percentual em Acordo que era meramente formal, e agora temos um percentual que vem de fato para os bolsos dos trabalhadores.
A AFBEPA não se acovardou diante das intimidações perpetradas na mesa pela Direção do Banpará e sua assessoria, enfrentou as situações postas, lutou diante de tudo, mas por fim vimos que a Justiça e a Procuradora Trabalhista pendiam para um lado.
A nossa posição sempre foi contra o Dissídio Coletivo, não podíamos levar a categoria para um precipício, já que não teríamos apoio.
Saímos de cabeça erguida, cientes que lutamos até onde foi possível e às vezes impossível.

Kátia Furtado


Anônimo disse...

É necessário que seja formalizada denúncia ao MPT para que vá imediatamente verificar nas agências do banco, o que estão passando nossos colegas, trabalhando até às 19h, para atender os clientes. Um absurdo, considerando o acordo de prorrogação em 01 hora para os dias parados e considerando que a jornada excedente o banco /administrações das agências, não pagam hora extra. Chega de exploração do trabalho em agência!