sexta-feira, 1 de março de 2013

O LUCRO E O INSULTO DO BANPARÁ - O AC 050/2013


"O Banco do Estado do Pará (Banpará) teve o lucro líquido de R$ 129 milhões em 2012, crescimento de 3,3% em relação a 2011. A poupança do Banpará tinha, em dezembro de 2011, R$ 382 milhões em depósitos. No mesmo período de 2012, este montante passou para R$ 502 milhões, um aumento de 31,2% no período. O patrimônio líquido da instituição financeira subiu para R$ 419,8 milhões no ano passado, o que representa evolução de 12,5% em relação ao ano anterior, com retorno atualizado sobre o patrimônio líquido médio de 32,5%.
Já os ativos totais alcançaram saldo de R$ 3,7 milhões, equivalente a um incremento de 36.1% em relação aos R$ 2,7 milhões registrados em 2011. Os recursos captados com depósitos totalizaram R$ 2,9 milhões, correspondente ao incremento de 32,7% em relação a 2011, sendo que os depósitos a prazo correspondem a 44,3% dos recursos captados.
O saldo das operações de crédito alcançou R$ 2,1 milhões em 31 de dezembro de 2012, um incremento de 40,5% em relação ao mesmo período de 2011. Sendo que, no crédito à pessoa física destacam-se as operações do Crédito Consignado, com saldo de R$ 1,6 milhão, o que representa um crescimento de 33% sobre o saldo registrado em dezembro de 2011. O outro destaque ficou com o crédito para pessoa jurídica, com uma alta de 1.330%."

Viram o tamanho do lucro alcançado com o nosso esforço, nosso suor, nossa monumental dedicação ao Banpará? Todo esse esforço servirá para tornar maiores as remunerações dos diretores do Banco, mas não para pagar tudo o que nos é devido; isso, se depender da vontade da atual direção do Banpará.

Ontem, 28/02, o Banco publicou o Aviso Circular 050/2013 contendo um documento intitulado "POLÍTICA INSTITUCIONAL DE REMUNERAÇÃO DOS ADMINISTRADORES". Trata-se de um insulto, uma afronta! Na mesma medida em que a atual direção do Banpará sequestra direitos e retira dinheiro dos nosso bolsos, bancários, decide pagar uma alta remuneração mensal aos membros do Consad, e aos diretores do Banco uma PLR devastadora! Uma vergonha!

Esse documento publicado pela direção do Banpará fere de morte o GT/PCS quando determina a criação de um "Comitê de Remuneração" que passará a tratar dos proventos dos diretores e membros do Consad de forma especial e separada dos demais, discriminando os que, realmente, garantem, com seu trabalho, sobrecarga e horas extras não pagas, os lucros do Banco.

PRIVILÉGIOS PARA OS MEMBROS DO CONSAD
Graciosamente, o documento determina que cada membro do Consad receberá remuneração mensal no valor de 10% do valor da remuneração bruta paga ao Diretor-Presidente da Instituição. Antes do citado documento, os membros do Consad recebiam um valor de participação por reunião. Agora, perceberão, mensalmente, remuneração no valor de quase R$ 3 mil reais, já que a remuneração do Diretor-Presidente está no valor de R$ 29.901,90 (Site do Banpará).

No documento, o Banco afirma que as razões que justificam a composição da remuneração, tem por base as práticas de mercado para segmento executivo de instituições financeiras, no entanto, para todo o corpo gerencial do Banpará e outras funções, o Banco não garante o mesmo tratamento, pois é gritante a diferença, para menor no Banpará, diante das remunerações que o mercado pratica para essas funções.

Absurda também é a não cobrança de desempenho aos membros do Consad que receberão remunerações mensais, já que aos bancários, as metas tem sido empurradas de forma desumana, goela abaixo!

PRIVILÉGIOS PARA OS DIRETORES
Interessante: os diretores e diretoras do Banpará cobram as metas dos bancários, mas se autoliberaram de quaisquer indicadores de desempenho para compor suas remunerações, ou seja, nada de metas para vossas majestades.

Pasmem! O citado documento "POLÍTICA INSTITUCIONAL DE REMUNERAÇÃO DOS ADMINISTRADORES" determina que "Os membros da Diretoria fazem jus à participação nos lucros da instituição (PL) definidos, anualmente, pela Assembléia Geral em até 1% do lucro líquido, limitada a percepção dessa vantagem ao valor de duas remunerações brutas mensais, por ano..." o que hoje representa um valor em torno de R$ 59 mil reais.

Mas não termina aí, o rol de privilégios que a direção do Banpará se autoconcedeu:

Bônus anual: porque ganharão bônus se não tem metas a cumprir?!

Auxílio refeição / cesta alimentação: honestamente, com tão altos salários ainda precisam onerar os cofres públicos com mais essas despesas?!

Telefonia móvel: os diretores do Banpará terão R$ 1 mil reais pra gastar com telefone celular, quando os gerentes gerais das agências tem direito somente a R$ 100,00 (cem reais) para prospectar, atender, acompanhar, resolver demandas da clientela do Banco?! O absurdoos gerentes são obrigados a assinarem um termo de autorização de desconto em conta, para quando os custos do trabalho para o Banco, com o telefone celular, ultrapassarem o limite de R$ 100,00.

Adicional de tempo de serviço: por que a necessidade de estabelecer um outro valor de anuênio para o pagamento aos diretores que são funcionários do Banco, uma vez que já existe um valor determinado, de R$ 25,00, de anuênio, para todos?

Carro / motoristas: é triste quando chegamos ali na entrada da 28, ou mesmo nas agências, e vemos nossos colegas esperando por horas a chegada de um táxi, para que possam realizar seu trabalho. Enquanto o Banco se preocupa tanto em garantir um carro com motorista para cada diretor, nossos colegas sofrem esses e outros aperreios como a falta de alimentação, a falta de pagamento de horas extras, a falta de saúde, o excesso de trabalho, a sobrecarga, os adoecimentos, a retirada do nosso tíquete extra, o não cumprimento de acordos e direitos como a promoção por antiguidade e tantos outros. 

No interior, a situação é bem mais precária: os limites são irrisórios, e a política de gestão é muito pior.

"Por tudo isso, por todos esses açoites e injustiças, é que nós, bancários e bancárias, precisamos nos unir cada vez mais, fortalecer nossas lutas, jamais baixar a cabeça, fazer com que a direção do Banco nos respeite como seres humanos e trabalhadores, pois é o que somos! Pelo resgate da nossa dignidade, hoje muito afetada, jamais deixaremos que o Banco nos humilhe e nos pise como vem tentando fazer. A cada novo ataque, mais luta, mais união e mais força, essa é a nossa resposta firme, independente e corajosa!" Afirma Kátia Furtado, presidenta da AFBEPA.


SEMPRE FIRMES NA LUTA,

UNIDOS SOMOS FORTES!




Atualização em 05/03/2013

Fomos informados pela Gerência de Pessoal do Banpará que o valor divulgado correspondente ao salário da diretoria, publicado no próprio site do Banpará, correspondeu, em fevereiro, a salário e antecipação de 50% do 13º salário do ano de 2013.

O valor do salário do salário percebido por cada diretor é de cerca de R$ 17 mil.

Mesmo assim, continua além da realidade do que o próprio Banco e o governo, que mandaram cortar tudo para os funcionários, do que o Banco pode dispor com pessoal, já que estamos vendo nossos direitos serem sequestrados no dia-a-dia: nosso tíquete extra retirado na marra em setembro de 2012, o exagero de horas extras realizados pelos funcionários e não pagas pela administração,  o descumprimento da implantação do Ponto Eletrônico, principalmente nas Agências, Postos e Caixas Avançados, o descumprimento de não promover a todos os funcionários por antiguidade em 2013, porque não contratou a consultoria e não elaborou critérios para as promoções, a retirada do direito à alimentação nos dias de pagamento nas agências da capital, e nunca estendido ao interior, a supressão do direito à Vantagem Pessoa Provisória - VPP, paga aos descomissionados, por 90 dias da forma mais benéfica, entre outros.

Os privilégios que se autoconcederam os diretores, e aos membros do Consad, não combinam com o discurso de austeridade e rigor que a diretoria do Banco vem usando para retirar direitos e dinheiro dos funcionários.

Mas quem pode esperar coerência de uma diretoria que sequer cumpre Acordos Coletivos?

Nossa única saída é a LUTA!

FIRMES NA LUTA,

UNIDOS SOMOS FORTES!



*

2 comentários:

Guilherme disse...

Partindo de quem partiu era o que já estávamos esperando, pois a administração 2007/2010 teve que alterar o Estatuto do banco, retirando abusos semelhantes praticados pela administração tucana anterior.Essa turma só legisla em causa própria!Como diziam antigamente, "não metem prego sem estopa". Um acinte!

Anônimo disse...

Segundo Jornal Liberal de Domingo 03.03.2013
O resultado do Balanço do Banpará deve ser expresso em BILHÃO, não em MILHÃO como andam publicando. OS ativos totais alcançaram R$ 3,7 BILHÕES, 36,1% relação a 2011. Acapitação da poupança R$ 2,9 BILHÕES, ou 32,7%, só os depositos a prazo correspondem a 44,3% da capitação. O saldo das operações de crédito em dezembro foi de R$ 2,1 BILHÃO, 40,5% mais em relação ao mesmo periodo de 2011 eo crédito consignado a pessoa física atingiu R$ 1,6 BILHÃO.
Senhor Presidente e Funcionario do Banpará pense, você não vai ficar por cima muito tempo e política passa.