quarta-feira, 5 de setembro de 2012

PELA SEGUNDA VEZ CAI INTERDITO PROIBITÓRIO. GREVE É LEGAL, LEGÍTIMA E PACÍFICA!


Pela segunda vez, desde o início da campanha salarial, a Justiça do Trabalho negou o pedido de interdito proibitório do Banpará, que vem tentando criminalizar o justo movimento de revindicação dos bancários. Uma grande vitória que mostra que nossa greve é legal e legítima!

Quem empurrou a categoria para a decisão da greve foi a direção do Banpará que se manteve intransigente, inflexível desde o dia 06 de agosto quando recebeu a Minuta de Reivindicações dos funcionários e nunca chamou reunião de negociação. Sequer ratificou o ACT 2011/2012, que perdeu a vigência em 31 de agosto.

O Banco vem desrespeitando seus funcionários que querem a negociação de suas cláusulas econômicas, porque sabem que o enorme crescimento do lucro, bem expresso nos resultados do semestre, são fruto do trabalho dos bancários e bancárias.

Para piorar o quadro, na véspera da greve, o presidente do Banpará determinou a cassação da liberação da Presidenta da AFBEPA, liberação essa que existe há 25 anos, desde que a Associação foi fundada pelos funcionários. 

Mais absurda, ainda, a atitude do presidente em empurrar e machucar uma bancária, sindicalista, adoecida quando a mesma estava abrindo a porta da Agência Centro para a entrada do presidente no prédio da Matriz.

A categoria e a sociedade estão chocadas! São muito preocupantes tais reações agressivas diante do legítimo direito dos bancários em plena data base, em campanha salarial, em greve legal e justa como única saída perante a dureza do Banco.

Em entrevista coletiva ao final do primeiro dia de greve, o presidente do Banpará negou que tenha empurrado e machucado a bancária. Porém, há testemunhas. A área de autoatendimento estava cheia de clientes e bancários que a tudo assistiram. O presidente também qualificou a greve como precipitada. ocorre que os bancários estão aguardando a mesa de negociação desde o dia 6 de agosto e o Banco sabe que a mesa da Fenaban, em grande medida, não interessa aos bancários do Banpará, principalmente quanto às cláusulas econômicas. Por isso construímos e entregamos nossa Minuta específica de Reivindicações, como fazem todos os funcionários de Bancos públicos, que aliás já estão negociando, à exceção do Banpará.


Nesta quarta-feira, 05, as 16h30, ocorrerá a primeira mesa de negociação. O Banco pode apresentar uma boa proposta para avaliação da categoria. Basta ter sensibilidade, bom senso e responsabilidade, olhando sempre a realidade específica do Banpará que é o melhor Banco estadual e o 5º melhor Banco do país, e que cresceu mais de 122% só no consignado. Se o Banpará pode repassar ao governo estadual mais de R$ 66 milhões do lucro, pode, sim, negociar com seus funcionários as necessárias e urgentes melhorias salariais. Publicou na ata do Consad que provisionou 13% para reajuste das verbas salariais.

A GREVE É 100% NA CAPITAL E ESTÁ CRESCENDO NO INTERIOR!
Todas as agências e a matriz do Banpará estão paralisadas na capital. Os 30% de serviços essenciais estão garantidos com o funcionamento do autoatendimento e a compensação, além de alguns outros serviços burocráticos internos. No interior foi muito expressiva a adesão no primeiro dia e nesta quarta-feira, a luta será ainda mais fortalecida!

Vamos adiante, colegas, na luta, com independência, coragem e firmeza de propósitos, haveremos de vencer nossas justas demandas! Merecemos respeito, consideração e valorização verdadeira! Queremos a imediata ratificação do ACT 2011/2012 e a negociação das nossas cláusulas econômicas!


UNIDOS SOMOS FORTES!!!




*

Um comentário:

Anônimo disse...

A Fenaban não apresentou nova proposta ontem, empurrando a categoria para a greve. A diretoria do Banpará estava aguardando o andamento das negociações da Fenaban, porém como agora sequer existe nova rodada prevista entre a representação patronal e o movimento sindical, ficou uma icógnita. Será que a direção do banco aguardará uma nova rodada de negociação ou apresentá logo uma proposta para por fim à greve? A imagem do presidente já está manchadíssima: será que ele vai tentar se redimir apresentando uma super proposta que contemple todos as nossas reivindicações ou vai se manter inflexível e prepotente (o que parece ser sua principal característica)? Essas e outras perguntas serão respondidas hoje.