quarta-feira, 26 de setembro de 2012

COM A INTENSIFICAÇÃO DA GREVE, BANCO CHAMA A MESA DE NEGOCIAÇÃO

Williams Silva, coordenador do Sintepp, Sindicato dos Trabalhadores em Educação,
 junto à Kátia Furtado, falando no ato da Matriz essa manhã.
 Na outra foto, Kátia, Cristina Quadros e Joventina Marques.

Matriz, Agência Centro e todas as unidades do Banpará paradas.

Com a força da greve, que se ampliou muito hoje, 26, a direção do Banpará acabou de chamar para logo mais, as 14h, a quinta mesa de negociação com as entidades. O Banco já compreendeu que não sairemos do nosso movimento consolidado sem uma proposta global que atenda às reais necessidades da categoria.


TUDO PARADO!
A adesão à greve, que já era muito forte desde o primeiro dia, agora, com a queda do interdito e do mandado de segurança do Banco, se tornou quase que 100%. Todas as unidades estão paradas, incluindo as Agências, Postos, Matriz, Sulog e Sutec. Entraram na Matriz apenas a diretoria e alguns superintendentes. Ninguém mais.

A MARAVILHOSA ASSEMBLÉIA DE ONTEM
A força da greve, a queda do interdito e a participativa e massiva assembléia de ontem a noite mostraram à direção do Banpará nossa enorme capacidade de mobilização e luta. Deixamos bem claro que não aceitaremos migalhas! Não sairemos de uma poderosa greve com trocados!

Na massiva assembléia do dia 25, Kátia Furtado, presidenta da AFBEPA, fala para mais de 150 bancários presentes. Unidos somos fortes!

"Nossa greve já conta com duas conquistas fundamentais: 1º, a abertura da mesa de negociação, porque antes da greve o Banco se negava a negociar; 2º a ratificação do nosso Acordo, porque antes da greve o Banco não havia ratificado o ACT. Agora, vamos garantir os avanços necessários naquilo que for o melhor para nós, e para proteger o que já temos conquistado!!!" Falou Kátia Furtado, da AFBEPA, na Assembléia, aos mais de 150 bancários presentes.

Queremos valorização no salário e no piso, porque é o que ficará de concreto, quando vier a aposentadoria. Também é fundamental que funções ainda não contempladas, como os caixas, tenham um indicativo firme de reajuste, assim como tiveram os tesoureiros, ano passado.

Queremos, também, resgatar algumas perdas no PCS e não aceitamos progressão condicionada ao cumprimento de metas! Somos contra as metas, mas se o Banco quiser implantar, que implante, é política de gestão da empresa. Combateremos e denunciaremos a abusividade das metas. Mas dentro do nosso PCS, metas, não!

A greve continua, e é cada vez mais forte e vitoriosa! Aguardamos que o Banco, finalmente, apresente uma proposta digna de ser colocada hoje em assembléia para os bancários. Vale lembrar que ontem a rebaixada mesa da Fenaban aprovou uma contraproposta global, assim como as mesas específicas dos demais Bancos públicos que, exceto o Banco da Amazônia, já estão negociando desde muito antes da greve.

TODOS E TODAS À ASSEMBLÉIA NO SINDICATO, HOJE, 17h30.


UNIDOS SOMOS FORTES!




2 comentários:

Anônimo disse...

unidos somos muiiiiiiito fortes

Anônimo disse...

Uma pergunta: se resolverem aceitar a contra-proposta da Fenaban logo mais, no sindicato, o Banpará será obrigado tb a encerrar a greve e se render novamente às migalhas dos patrões??? Esse é o medo de muitos.