quarta-feira, 30 de setembro de 2009

PASSEATA MOSTRA A UNIÃO E A FORÇA DOS BANCÁRIOS




Nem mesmo o calor tradicional da tarde de Belém impediu que cerca de 200 bancários e bancárias empunhassem suas faixas, bandeiras, cartazes e tomassem as ruas do centro da capital paraense nesta quarta-feira (30), sétimo dia da greve nacional, em mais uma demonstração pública da força do movimento grevista da categoria no Pará e no Amapá.

A manifestação teve início em frente à agência do Bradesco da Rua Santo Antônio, no centro comercial, e seguiu pela Av. Pte. Vargas, um dos principais corredores financeiros de Belém, até a Av. Nazaré. Animados por uma bandinha e uma bike-som, os trabalhadores fizeram paradas em frente às agências do Banco do Brasil, Banpará, Itaú, HSBC, Caixa, Banco da Amazônia, Bradesco e Safra. Em todas as paradas da passeata, os bancários faziam um grande e barulhento “apitaço”, em protesto contra a intransigência dos banqueiros em dificultar as mesas de negociação geral e específicas.

O ato encerrou no Centro Integrado do Governo (CIG) onde foi protocolado um documento ao Secretário Estadual de Governo e ex-presidente do Banpará, Edilson Pereira de Souza, cobrando a implementação de cláusulas firmadas no acordo trabalhista do ano passado e ainda não colocadas em prática, como o Plano de Cargos e Salários (PCS), o novo Plano de Saúde e o ponto eletrônico.

“Essa nossa manifestação tem o intuito de cobrar mais respeito dos banqueiros nas mesas de negociação, já que todas as propostas que eles apresentaram foram rebaixadas e insuficientes, seja na mesa com a Fenaban como no Banco do Brasil, Caixa Econômica, Banco da Amazônia e Banpará. Mas esse ato também tem o objetivo de dizer que a nossa greve não é apenas por melhores salários, mas também por tratamento digno à população, que é explorada diariamente pelos bancos através de altas taxas e tarifas que são cobradas dos clientes, sem contar com as enormes filas cotidianas em bancos públicos e privados. Os bancos abusam dos bancários e da população e isso tem que acabar”, destaca Maria Gaia, diretora do Sindicato do Bancários do Pará e Amapá e empregada da Caixa.

Repúdio – Durante a passeata, em frente à agência Círio, da Caixa, os bancários repudiam as atitudes autoritárias e discriminatórias que estão sendo tomadas pela Superintendência da CAIXA no Amapá, ao promover o descomissionamento de bancários gestores, sob o argumento de que teriam falhas em avaliações internas, quando, na verdade, essa é uma decisão que objetiva, unicamente, perseguir aqueles que tiveram iniciativas por não aceitar injustiças ocorridas dentro da empresa e por apoiar a greve.

Negociação com a Fenaban - A Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) agendou uma nova rodada de negociação com o Comando Nacional dos Bancários para esta quinta-feira, dia 1º de outubro, às 10h, em São Paulo. O presidente do Sindicato, Alberto Cunha, e o presidente da AEBA e vice-presidente da Fetec-CN, Sérgio Trindade, ambos do Comando Nacional, estarão em São Paulo acompanhando a negociação. A última reunião com a Fenaban aconteceu no dia 17 de setembro, quando os banqueiros apresentaram uma proposta rebaixada de 4,5% de reajuste para os trabalhadores, além de uma PLR menor do que a do ano passado. A expectativa da categoria é que dessa vez a Fenaban apresente uma proposta mais condizente com as reivindicações dos bancários, já que a greve segue forte e paralisa hoje 6.499 agências em todo Brasil.

Negociações específicas – Ainda nesta quinta-feira também ocorrem reuniões de negociação com o Banco do Brasil e com a Caixa, ambas em São Paulo, logo após a reunião do Comando Nacional com a Fenaban. Na sexta-feira (2), será a vez do Banpará discutir as pautas específicas de seus empregados.

Já o Banco da Amazônia cancelou a reunião de negociação que aconteceria hoje (30), às 11h, alegando que as entidades estão descumprindo um pedido da empresa sobre a entrada de empregados para trabalhar em expediente normal. As entidades esclarecem que não estão forçando nem obrigando qualquer trabalhador a permanecer em greve, mas está sim usando do poder de convencimento para que os empregados permaneçam em greve, já que isso é direito seu legitimo.

TODOS A PASSEATA HOJE!!!

HOJE, ÀS 14h, CONCENTRAÇÃO NO BRADESCO DA SANTO ANTÔNIO.
BANCÁRIOS CAMINHARÃO PELA PRESIDENTE VARGAS E NAZARÉ ATÉ O CIG.
TODOS E TODAS LÁ!

UNIDOS SOMOS FORTES!





GREVE CRESCE. COMANDO E FENABAN NEGOCIAM NA QUINTA

O Comando Nacional dos Bancários retomará as negociações com a Fenaban nesta quinta-feira, dia 1º de outubro, às 10h, em São Paulo. Os bancos decidiram procurar a representação dos trabalhadores no sexto dia da greve nacional da categoria, que cresceu novamente e paralisou 6.449 agências em todo o país, segundo levantamento Confederação Nacional dos Trabalhadores Financeiros (Contraf-CUT) com base nos dados dos sindicatos. O número representa um crescimento de 11% em relação às 5.786 agências fechadas na segunda-feira.

Nesta quarta-feira 30, haverá negociação com o Banco do Brasil, também em São Paulo, para prosseguir as negociações das questões específicas. Na quinta, 1º de outubro, às 15h, será a vez da Caixa Econômica Federal retomar o processo de negociações, também na capital paulista.

"A greve vem crescendo dia após dia em todo o país e foi essa pressão dos trabalhadores que fez com que os bancos nos procurassem para a retomada das negociações", afirma Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional. "Esperamos agora que a Fenaban traga propostas sérias e concretas que contemplem as justas reivindicações da categoria", conclui.

Proposta rebaixada levou à greve

A última negociação aconteceu no dia 17 de setembro, quando os banqueiros apresentaram uma proposta rebaixada de 4,5% de reajuste para os trabalhadores, além de uma PLR menor do que a do ano passado. No dia 23, os bancários decidiram em assembléias em todo o país entrar em greve por tempo indeterminado.

No último sábado, o Comando Nacional, após reunião de avaliação da greve, encaminhou correspondência à Fenaban cobrando a retomada das negociações e reforçando as reivindicações da categoria. No documento, a representação dos bancários "reafirma que a proposta para atender às necessidades dos trabalhadores precisa contemplar aumento real de salário, melhoria da PLR, valorização dos pisos salariais, uma política de preservação dos empregos e mais contratações, melhores condições de saúde, segurança e trabalho, combate às metas abusivas e ao assédio moral, auxílio-educação e plano de previdência complementar para todos".

Fonte: Contraf-CUT



PASSEATA DOS BANCÁRIOS HOJE!

BANCÁRIOS CAMINHARÃO ATÉ O CENTRO INTEGRADO DE GOVERNO.

A concentração da passeata está marcada para 14h em frente ao Bradesco da Santo Antônio, que foi escolhido como ponto de concentração por ser um dos bancos mais difíceis no processo de negociação com os trabalhadores, a nível nacional.
A caminhada seguirá pela Av. Presidente Vargas com paradas nos prédios do Banpará, Banco do Brasil, CEF e demais bancos privados e continuará na Av. Nazaré até o Centro Integrado de Governo - CIG, onde as entidades entregarão um manifesto ao Presidente do Conselho de Administração do Banpará e Secretário de Governo, Edilson Souza.


NOVA RODADA DE NEGOCIAÇÃO A SER REMARCADA.

A reunião entre as entidades representativas dos bancários e a direção do Banpará foi cancelada em vista da mesa de negociação entre o comando nacional dos bancários e a Fenaban, que foi marcada para mesmos dia e hora.
As entidades irão solicitar nova reunião com a direção do banco para o dia 02 de outubro, sexta-feira.


TODOS NA NOSSA PASSEATA POR MELHORES CONDIÇÕES DE TRABALHO, PCS, SEGURANÇA, PLANO DE SAÚDE, PONTO ELETRÔNICO E SALÁRIO DIGNO!
CONTRA O ASSÉDIO MORAL E O ABUSO DAS METAS!



segunda-feira, 28 de setembro de 2009

BANPARÁ RETOMA MESA ESPECÍFICA SEM GRANDES AVANÇOS.

Terminou por volta das 11h a primeira rodada de negociação entre o Banpará e as entidades representativas dos funcionários. Não houve grandes avanços. Participaram da mesa de negociações representando a direção do banco o presidente Affonso Neto, a diretora de administração Glicéria Melo e a Sudep, e representando os bancários e bancárias o Sindicato dos Bancários, a Fetec/cn e a AFBEPA.

RENOVAÇÃO DO ACT 2008/2009.

O Banco informou que está renovando as cláusulas do acordo anterior (2008/2009) até a assinatura de novo acordo com o Sindicato, à exceção da cláusula do PCS, que segundo a direção do Banco, aguardará o desfecho da Ação Judicial. Neste ponto já temos a tutela antecipada, e a audiência inaugural, na qual o banco apresentará sua contestação, já está marcada para 16/11/09.

ASSÉDIO MORAL.

Informou também a direção do Banco que concorda em discutir a questão do assédio moral em comissão paritária (Cláusula 33ª), porém, no âmbito do Comitê de Relações Trabalhistas.

CALENDÁRIO DE NEGOCIAÇÕES.

O Banco também propôs um calendário de negociações para os próximos dias 30/09, 06/10 e 14/10, não se furtando a se reunir em outras datas, caso seja necessário. O calendário foi aceito pelas entidades. Alberto Cunha, presidente do Sindicato e coordenador da comissão dos trabalhadores, afirmou ao Banco que vê como positiva a reabertura da mesa de negociações, que a mesma já poderia estar em funcionamento há mais tempo e que espera avanços concretos por parte da empresa, já na próxima rodada.

PCS.

As entidades reforçaram também que uma das prioridades dos funcionários nessa campanha é a implantação do PCS, retroativo a maio de 2009, conforme consta da minuta entregue ao Banco.

PLANO DE SAÚDE E PONTO ELETRÔNICO.

Outras reivindicações importantes para o funcionalismo são a efetivação do plano de saúde e a implantação do ponto eletrônico, temas para os quais cobramos uma posição da Empresa. O Banco afirmou que está empenhado na implantação do ponto eletrônico, cujo sistema está adiantado em seu desenvolvimento e que o próximo passo é a aquisição das máquinas, onde elas forem necessárias, pois também estuda utilizar a intranet para acessar o ponto. A pedido das entidades, o Banco se comprometeu a trazer para a próxima reunião elementos mais consistentes a respeito dos pilotos e testes já realizados no âmbito da empresa. Em relação ao Plano de Saúde, o Banco afirmou que o processo continua sendo encaminhado e que prevê o lançamento do Edital de concorrência para o início do mês de outubro/2009.

A GREVE CONTINUA.

As entidades consideraram um avanço o Banco retornar à mesa de negociações específicas, mas entenderam que as propostas do Banco são insuficientes para uma avaliação que possa por fim ao movimento. Desse modo, a greve no Banpará continua, até que haja uma proposta que avance sobre os demais temas colocados na minuta específica. Hoje, às 17h, está mantida a assembléia organizativa dos funcionários do Banpará, onde serão discutidas as ações para o próximo período, no sentido de fortalecer o movimento.

Dia 30/09, quarta-feira, às 15h, continuam as negociações específicas com a direção do Banco, onde esperamos que a empresa avance nas propostas.

Fonte: Sindicato dos Bancários.






domingo, 27 de setembro de 2009

COMANDO NACIONAL AMPLIA A GREVE E ENVIA CARTA À FENABAN COBRANDO RETOMADA DAS NEGOCIAÇÕES

O Comando Nacional dos Bancários reuniu-se neste sábado 26 em São Paulo para avaliar muito positivamente os dois primeiros dias da greve por tempo indeterminado. Decidiu também enviar ofício à Fenaban cobrando a retomada das negociações a partir desta terça-feira e reafirmando as reivindicações da categoria por aumento real de salário, PLR maior, valorização dos pisos, uma política de preservação dos empregos e mais contratações, melhores condições de saúde, segurança e trabalho, combate às metas abusivas e ao assédio moral, auxílio-educação e plano de previdência complementar para todos.

"Apesar da intimidação dos bancos contra os trabalhadores para cercear o direito constitucional de greve, inclusive apelando para a repressão policial, a grande adesão à paralisação demonstra que os bancários estão indignados com o abuso dos bancos. Mesmo alcançando lucros de R$19,3 bilhões no primeiro semestre, os maiores de toda a economia brasileira, os bancos se recusam a conceder aumento real de salário e ainda querem reduzir a PLR", afirma Carlos Cordeiro, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e coordenador do Comando Nacional.

Leia carta enviada pela Contraf/CUT à Fenaban




sábado, 26 de setembro de 2009

CONTRAF/CUT COMANDA A PASSEATA EM SÃO PAULO

Acima, uma bela foto da passeata dos bancários no dia 25 passado, liderada pelo Presidente da CONTRAF/CUT, Carlos Cordeiro. A força da greve mostra a capacidade de luta dos bancários e bancárias e a firmeza dos dirigentes do movimento.






sexta-feira, 25 de setembro de 2009

DIREÇÃO DO BANPARÁ ABRE PARA NEGOCIAÇÃO

A direção do Banpará encaminhou ao Sindicato dos Bancários documento solicitando reabertura da mesa de negociação para 9h do dia 28 de setembro, segunda-feira. As entidades: AFBEPA, Sindicato dos Bancários, Contraf/CUT e Fetec/CN, estarão unificadas em defesa do funcionalismo, fortalecendo as propostas da minuta específica da categoria.
Na segunda-feira, dia de pagamento dos inativos da PM e pensionistas do IGPREV, o funcionalismo, em greve, estará de forma voluntária, auxiliando especificamente a esses clientes no uso do autoatendimento.
Aqui, a matéria na página do Sindicato.

A GREVE CONTINUA!
MANTENHAMOS A UNIÃO E A FORÇA DO NOSSO MOVIMENTO!
TODOS NA ASSEMBLÉIA DIA 28, SEGUNDA-FEIRA, ÀS 17h.






BANCÁRIOS DE BRASÍLIA FARÃO PASSEATA NA SEGUNDA-FEIRA

No site da CONTRAF/CUT

Bancários fortalecem greve no segundo dia em Brasília. Segunda tem passeata Sem nova proposta dos banqueiros, a assembleia dos bancários realizada na tarde desta sexta-feira, dia 25, no Setor Bancário Sul, em Brasília, decidiu pela continuidade da greve por tempo indeterminado, com a realização de nova assembleia na segunda-feira, dia 28, em frente ao Ministério da Fazenda, logo após a passeata da categoria, que sairá da Praça do Cebolão, às 15h. O primeiro dia da greve em Brasília registrou forte adesão dos bancários, tanto de bancos públicos quanto de privados, além dos prédios administrativos, mostrando a disposição da categoria na luta pelo atendimento de suas reivindicações. Levantamento parcial do Sindicato com base nas informações repassadas pelos coordenadores dos comitês de esclarecimento, responsáveis pela organização da greve em pontos estratégicos do DF, mostrou que a quantidade de agências totalmente fechadas em Brasília e cidades satélites chegou a 86%. A adesão chegou a mais de 50% nas agências do Banco do Brasil, a quase 70% nas agências da Caixa e à quase totalidade no BRB. A adesão também foi maciça nos prédios administrativos. "Os números superaram nossas expectativas, ultrapassando inclusive os da greve do ano passado. Esse é o recado dado pelos trabalhadores contra o abuso dos bancos. Com muita garra e determinação, vamos fazer crescer ainda mais o movimento, de modo a pressionar a Fenaban a rever e melhorar aquilo que eles chamaram de contraproposta", assinalou o presidente do Sindicato, Rodrigo Britto. Em todo o Brasil, segundo balanço divulgado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf/CUT), foram 2.881 agências bancárias fechadas no primeiro dia, além de centros administrativos de todos os bancos, em todas as capitais e em inúmeras cidades do interior onde há presença de instituições financeiras.
Fonte: Seeb Brasília



GREVE CRESCE E AMPLIA A PARALISAÇÃO NO INTERIOR

Em BELÉM a paralisação no Banpará é 100%. No interior a adesão ampliou consideravelmente desde ontém. A perspectiva é que já na semana que vem consigamos avançar até a totalidade das agências e PABs no interior do estado.

Segundo avaliação parcial nesta manhã, já estão paralisadas as agências de ANANINDEUA, SANTA IZABEL, ABAETETUBA, BARCARENA, BRAGANÇA, CAPANEMA, CASTANHAL, VIZEU, CAPITÃO POÇO, CONCÓRDIA DO PARÁ, ITUPIRANGA, MARABÁ, PARAUAPEBAS, XINGUARA, TUCURUÍ E SANTARÉM.

A greve é uma legítima resposta dos bancários e bancárias em todo o Brasil à intransigência dos banqueiros e direções de bancos públicos que não se dignam a apresentar propostas negociáveis aos trabalhadores em campanha salarial.

NO BANPARÁ, DIREÇÃO CONTINUA SE RECUSANDO A NEGOCIAR

Aqui no Banpará a situação é ainda mais grave: além de recusar a negociação, não reconhecendo nossa minuta específica, a direção do Banpará solicitou e conseguiu na justiça um interdito proibitório. Tal atitude caracteriza a incapacidade da direção do banco de perceber que o caminho para a saída da greve não se dará pela imposição autoritária, mas pela negociação, que a direção recusa.

INTERDITO PROIBITÓRIO NÃO IMPEDE A GREVE

É fundamental compreender que o interdito proibitório não se trata de uma decisão judicial que impeça a greve. O interdito proibitório apenas resguarda o direito de propriedade do banco.

O MOVIMENTO É PACÍFICO E A ADESÃO É VOLUNTÁRIA

Está claro que a solicitação de interdito proibitório foi uma medida desnecessária e que revela incompreensão da direção do banco, porque a greve é pacífica e a adesão dos bancários e bancárias é completamente voluntária.

CONTINUEMOS NA LUTA PELA MESA LOCAL JÁ!!!

Pedimos a cada colega bancário das cidades em que ainda não foi possível a paralisação, que entre na greve, paralise em sua agência. Está em jogo a negociação de nossa minuta específica. Lembramos que, da minuta passada, apenas o PCS se salvará por decisão judicial, mas cláusulas importantes como ponto eletrônico e plano de saúde não foram cumpridas.

Reforçamos aos colegas que continuem nos enviando suas avaliações e propostas pelo e-mail: afbepa.coragem@gmail.com ou através de postagens neste nosso blog.

BANCÁRIOS E BANCÁRIAS DO BANPARÁ! NA LUTA!
PARABÉNS E PROSSIGAMOS!


BANCÁRIOS DE SÃO PAULO FAZEM PASSEATA HOJE

Bancários de São Paulo farão nesta sexta-feira, dia 25, o segundo dia da greve por tempo indeterminado para que os banqueiros voltem à mesa de negociação com uma nova proposta global, mas decente, que respeite as necessidades da categoria. Essa foi a decisão da assembleia realizada na tarde da quinta-feira, dia 24.

No primeiro dia, cerca de 29 mil bancários cruzaram os braços em 679 locais de trabalho de São Paulo, Osasco e região - principalmente no centro da capital e na Paulista.

Sete prédios administrativos (concentrações) fecharam: Unibanco Patriarca e Boa Vista, Nossa Caixa XV de Novembro e Tesouro, Banco do Brasil Complexo São João e Verbo Divino. Os mais de 2 mil bancários e terceirizados do Bradesco Alphaville pararam até as 10h.

"Os trabalhadores estão superando muitos obstáculos para participar da greve", afirma o presidente do Sindicato, Luiz Cláudio Marcolino, lembrando que os bancos estão acionando a Polícia Militar para forçar a abertura das agências e armando esquemas absurdos de contingenciamento, obrigando os bancários a mudar de local de trabalho ou entrar de madrugada.

"Em vez de investir tempo e dinheiro na solução da campanha, atendendo às justas reivindicações da categoria, os bancos estão pagando táxi e hora extra para que os trabalhadores cheguem às 4h, 5h da manhã nas agências e concentrações", relata Marcolino, destacando a importância das denúncias que chegam ao Sindicato sobre o contigenciamento imposto pelos bancos.

"São trabalhadores revoltados com a situação em que o banco os coloca. E a maneira certa de sair disso é dizer não. A greve tem de ser construída pelo trabalhador. Cada um tem de fazer sua parte, parar e ajudar a fechar outros locais", diz Marcolino, destacando que todo o contingente do Sindicato, entre dirigentes sindicais e funcionários, soma cerca de 200 pessoas.

"É impossível para o Sindicato estar nas cerca de 4 mil agências e concentrações. Os bancários devem ir à assembléia ou passar no Sindicato (Rua São Bento, 413, Centro) para pegar material (milhares de faixas, adesivos, cartazes estão à disposição) e com outros colegas parar seu local de trabalho. Somos mais de 465 mil trabalhadores no Brasil, 134 mil em São Paulo, Osasco e região. Nossa união pode fazer os banqueiros cederem e pagar o que nos devem", completa o presidente do Sindicato.

Nacional

No primeiro dia de greve, bancários de todos os estados do país cruzaram os braços, nas capitais e em diversos municípios. Segundo levantamento feito pela Contraf-CUT, foram 2.881 agências fechadas, além de centros administrativos.

Passeata

Os bancários fazem passeata na Avenida Paulista nesta sexta-feira 25, saindo da Praça Osvaldo Cruz às 15h. O objetivo é denunciar à população que a péssima proposta dos banqueiros empurrou os trabalhadores para a greve.

A caminhada será encerrada em frente à matriz do banco Real, onde fica o presidente da federação dos bancos, Fábio Barbosa.

Fonte: Contraf/CUT

PRIMEIRO DIA DE GREVE SUPEROU AS EXPECTATIVAS

MAIS DE 2.800 AGÊNCIAS PARAM NO BRASIL INTEIRO

Primeiro dia da greve nacional dos bancários superou as expectativas da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT). Dados parciais repassados pelos sindicatos até as 20h desta quinta-feira 24 mostram que um total de 2.881 agências, além de centros administrativos de todos os bancos, foram paralisados em todas as capitais e em inúmeras cidades do interior onde há presença de instituições financeiras.


As assembleias de avaliação realizadas pelos sindicatos decidiram manter a greve nacional por tempo indeterminado, e aguardam da Fenaban a apresentação de uma nova proposta que atenda às reivindicações dos bancários por aumento real, PLR mais justa e transparente, valorização dos pisos salariais, preservação do emprego, mais saúde e melhores condições de trabalho, combate às metas abusivas e ao assédio moral.

"Os bancários responderam com dignidade à provocação dos bancos, que apesar de terem lucrado R$ 19,3 bilhões no primeiro semestre, segundo o Banco Central, pretendem reduzir a PLR, não querem conceder aumento real e se recusam a atender às demais reivindicações da categoria", avalia Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional dos Bancários.

A greve foi maciça no Banco do Brasil e na Caixa Econômica Federal em todo o país nesta quinta-feira. No Bradesco, a paralisação surpreendeu os sindicatos pelo alto índice de adesão dos bancários, muito superior ao movimento do ano passado. E também superou as expectativas no Itaú Unibanco e no Santander-Real, onde a participação dos trabalhadores foi expressiva, apesar de as instituições estarem passando pelo processo de fusão.

Por que os bancários estão em greve

Reajuste de 10% do salário. Os bancos ofereceram 4,5%, apenas a reposição da inflação dos últimos doze meses, enquanto outras categorias de trabalhadores de setores econômicos menos lucrativos estão conquistando aumento real de salário.

Bancos querem reduzir PLR para aumentar lucros. Os bancários querem uma PLR simplificada, equivalente a três salários mais R$ 3.850 fixos. Os banqueiros propuseram a distribuição de 5,5% do lucro líquido, ao contrário dos últimos anos quando os bancários recebiam até 15% dos resultados. Cálculo do Dieese mostra que, dessa forma, somente os seis maiores bancos (BB, Itaú Unibanco, Bradesco, Caixa, Santander e HSBC) reduziriam em R$ 1,2 bilhão o pagamento de PLR, em 2009, em relação ao ano passado.

Valorização dos pisos salariais. A categoria reivindica pisos de R$ 1.432 para portaria, R$ 2.047 (salário mínimo do Dieese) para escriturário, R$ 2.763,45 para caixa, R$ 3.477,00 para primeiro comissionado e R$ 4.605,73 para primeiro gerente. Os bancos rejeitam a valorização dos pisos e propõem 4,5% de reajuste para todas as faixas salariais.

Preservação dos empregos e mais contratações. Seis dos maiores bancos do país estão passando por processos de fusão. Os bancários querem garantias de que não perderão postos de trabalho e exigem mais contratações para dar conta da crescente demanda. Os bancos se recusam a discutir o emprego e aplicar a Convenção 158 da OIT, que inibe demissões imotivadas.

Mais saúde e melhores condições de trabalho. A enorme pressão por metas e o assédio moral são os piores problemas que a categoria enfrenta hoje, provocando sérios impactos na saúde física e psíquica. A Fenaban não fez proposta para combater essa situação e melhorar as condições de saúde e trabalho.

Auxílio-creche/babá. A categoria quer R$ 465 (um salário mínimo) para filhos até 83 meses (idade prevista no acordo em vigor). Os bancos oferecem R$ 205 e querem reduzir a idade para 71 meses.

Auxílio-refeição. Os bancários reivindicam R$ 19,25 ao dia e as empresas propõem R$ 16,63.

Cesta-alimentação. Os trabalhadores querem R$ 465, inclusive para a 13ª cesta-alimentação. Os bancos oferecem R$ 285,21 tanto para a cesta mensal quanto para a 13ª.

Segurança. Os bancários querem instalações seguras e medidas como a proibição ao transporte de numerário, malotes e guarda das chaves. Também reivindicam adicional de risco de vida de 40% do salário para quem trabalha em agências e postos. A categoria defende proteção da vida dos trabalhadores e clientes.

Previdência complementar para todos. Os bancários reivindicam planos de previdência complementar para todos os trabalhadores, com patrocínico dos bancos e participação na gestão dos fundos de pensão.

Fonte: Contraf-CUT

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

DIREÇÃO DO BANPARÁ ABUSA MAIS

E UTILIZA INSTRUMENTO CONTRA A DEMOCRACIA E O DIREITO DE GREVE DOS BANCÁRIOS.


MAS A GREVE CRESCE, SE AMPLIA E FORTALECE!


Em mais uma medida autoritária e antidemocrática, a direção do Banpará requereu e obteve na Justiça do Trabalho liminar de interdito proibitório em função da greve dos seus funcionários.

A assessoria jurídica do Sindicato dos Bancários já está se movimentando no sentido de reverter essa decisão, provando que o nosso movimento é pacífico e puramente reivindicatório e não pretende se apossar da propriedade do BANPARÁ.

A greve no Banpará é de adesão espontânea e massiva de seus funcionários. Não há e nem haverá a necessidade de impedir a entrada de funcionários nas agências, porque estes estão convencidos de que somente a greve poderá tirar o Banco da posição de intransigência que vem assumindo perante a categoria.

Queremos negociar nossa pauta específica de reivindicações. Não podemos aceitar como limite de nossas conquistas as propostas da FENABAN. São anos de congelamento do PCS, foram 20% dos salários dos funcionários apropriados pela empresa e que precisam ser devolvidos, entre tantas outras questões a serem resolvidas somente em mesa específica.

Continuemos a greve, que não é somente dos funcionários do BANPARÁ, mas de todos os bancários do Brasil, por melhores salários, condições de trabalho dignas, por avanços na participação nos lucros e resultados, mais contratações de bancários, garantia no emprego para todos e aumento no piso salarial.

Infelizmente, o Banco opta por uma postura intransigente, um verdadeiro retrocesso e, sem dúvida, ao se negar a receber e negociar com os representantes sindicais, o banco desrespeita todo o seu funcionalismo, que constrói diariamente os resultados tão festejados recentemente.

Finalmente, lamentamos profundamente que a direção do BANPARÁ se utilize de um instrumento inadequado para as relações trabalhistas, como é o interdito proibitório, sabendo que a saída para o impasse é a negociação.

Fonte: Sindicato dos Bancários do Pará e Amapá







GREVE. MATRIZ E AGÊNCIAS PARALISADAS.




É
ACIMA, FOTOS DA PARALISAÇÃO NA MATRIZ E AGÊNCIA CENTRO DO BANPARÁ.


TODOS NA ASSEMBLÉIA PARA DECIDIR OS PRÓXIMOS PASSOS!

Logo mais se iniciará a assembléia de avaliação e encaminhamentos da greve, no Sindicato dos Bancários. É fundamental a presença de todos os bancários e bancárias para que possamos garantir nossa mobilização e o avanço da nossa luta nesta campanha salarial.
A avaliação nacional e local é de que a adesão à greve é massiva. Milhares de bancários em todo o Brasil paralisaram lutando por dignidade e respeito nas negociações com os banqueiros e direções de bancos.

DIREÇÃO DO BANPARÁ SE MANTÉM FECHADA!
Apesar da pressão exercida pela direção do Banpará contra a greve, é ampla a paralisação em toda a capital, grandes cidades e maioria dos municípios do Estado. Mesmo assim, a direção do Banpará continua irredutível e não abre perspectivas de negociação da minuta específica com os funcionários.
A AFBEPA vai propor hoje, na assembléia, a entrega do Manifesto à Governadora em uma caminhada até o CIG, na Av. Nazaré.

Em alguns minutos, a Contraf/CUT publicará um balanço do primeiro dia da greve. Vamos permanecer on line, postando as últimas notícias da greve nacional e os detalhes da greve aqui no nosso estado.



GREVE. TODAS AS AGÊNCIAS DA CAPITAL ESTÃO PARADAS!

BANCÁRIOS E BANCÁRIAS DO BANPARÁ DEMONSTRAM GRANDE VIGOR E CAPACIDADE DE LUTA.

Em uma avaliação parcial, o primeiro dia de greve já demostrou a vigorosa disposição de luta dos bancários e bancárias do Banpará. Todas as agências da capital estão paradas. No interior, as avaliações dos colegas ainda estão chegando e, até agora, todas revelam a massiva adesão à greve.

Em outras grandes cidades, além da região metropolitana, as agências já paralisaram totalmente. Até o fim do dia, teremos uma avaliação mais completa.

A nível nacional a greve segue o mesmo rumo e já demonstra a grande capacidade de organização e luta dos bancários. Também em avaliação parcial, todas as capitais e grandes cidades deflagraram a greve nas assembléias de ontém e, hoje, a adesão é vitoriosa! Veja aqui a avaliação no site da CONTRAF/CUT.

Esta greve já está mostrando a força e a união dos bancários em geral e especialmente do funcionalismo do Banpará que sabe defender o banco quando é necessário, assim como sabe também defender a própria dignidade.

MESA LOCAL DE NEGOCIAÇÃO JÁ!

RECONHECIMENTO DA NOSSA MINUTA ESPECÍFICA!

IMPLANTAÇÃO DO ACT 2008/2009!

IMPLANTAÇÃO DO PCS COMO DETERMINADO PELA JUSTIÇA DO TRABALHO!

PLANO DE SAÚDE. PONTO ELETRÔNICO.

FIM DAS METAS ABUSIVAS!

FIM DO ASSÉDIO MORAL!

SEGURANÇA E MELHORES CONDIÇÕES DE TRABALHO!

DIGNIDADE PARA OS BANCÁRIOS E BANCÁRIAS!



quarta-feira, 23 de setembro de 2009

GREVE POR TEMPO INDETERMINADO





BANCÁRIOS E BANCÁRIAS DO PARÁ DECIDIRAM EM ASSEMBLÉIA PELA GREVE POR TEMPO INDETERMINADO.

A decisão da assembléia foi a resposta à intransigência dos banqueiros e direções de bancos que se mostram inflexíveis nesta campanha salarial. O indicativo da Contraf/CUT está sendo aprovado em todas as assembléias da categoria a nível nacional. A partir de 0h do dia 24, a greve se instala por tempo indeterminado, conforme decisão dos bancários e bancárias.

"Vamos garantir a greve no Banpará. O funcionalismo compareceu massivamente à assembléia, apesar das tentativas da direção do banco de desmobilizar nossa participação."


"Não nos restou outra alternativa a não ser a greve. A direção do banco não está tendo a mínima consideração por nós, que fazemos o banco no dia-a-dia."


"Vamos grevar até que a direção do Banpará seja flexível. Queremos ser ouvidos. Eles têm que negociar nossa minuta!"


"A greve é um direito constitucional garantido aos trabalhadores brasileiros. A direção do Banpará está sendo intransigente ao recusar a negociação. Vamos evitar conflitos, mas vamos garantir a greve!"
disse Kátia Furtado, presidenta da AFBEPA.


ASSEMBLÉIAS DIÁRIAS, 17h, NO SINDICATO.

Todos os dias, às 17h, haverá assembléias de organização da greve na sede do Sindicato. É fundamental a presença de todos para que possamos avaliar o movimento a cada dia e decidir novos encaminhamentos.

AMANHÃ VAMOS DEFINIR A CAMINHADA ATÉ O CIG PARA APRESENTAÇÃO DO MANIFESTO À GOVERNADORA.






BANPARÁ TENTA ESVAZIAR A PARTICIPAÇÃO DE SEUS FUNCIONÁRIOS NA ASSEMBLÉIA DE HOJE

Por telefone, colegas de diversas agências da capital denuciam conduta repressiva dentro do Banpará contra a liberdade sindical dos bancários e bancárias.
Alguns poucos gerentes convocaram, de ontém para hoje, reuniões em suas agências algumas horas antes do horário da assembléia. Também a direção do Banpará 'convidou' o funcionalismo para uma missa seguida de coquetel na Ag. Senador Lemos, a mais próxima do Sindicato, que se iniciará às 18h. É necessário ressaltar que este 'convite' vem em tom convocatório, especialmente porque a diretoria do banco se fará presente na missa.
Estamos às vésperas do Círio de Nazaré, a maior festividade religiosa do povo paraense, e, sem dúvida, a missa se justifica, mas poderia ser organizada em qualquer outro dia que não fosse o dia da nossa assembléia geral. Ou a assembléia poderia ter sido convocada em outro dia que não fosse o dia da missa.
Reforçamos aos colegas do Banpará que, apesar de todos as tentativas de esvaziar nossa participação na assembléia, devemos estar unidos, firmes e fortes no Sindicato hoje, às 18h30, para garantir nossas reivindicações, nossa mobilização, nossa luta nesta Campanha Salarial.

TODOS E TODAS NA ASSEMBLÉIA HOJE, 18h30, NO SINDICATO!!!

O MANIFESTO À GOVERNADORA

Na Assembléia de hoje, no Sindicato, a AFBEPA vai propor o manifesto abaixo, a ser entregue em caminhada até o CIG, na Av. Nazaré.


MANIFESTO À GOVERNADORA
Exma. Sra. Governadora Ana Júlia Carepa,

Nós, bancários e bancárias do Banco do Estado do Pará, em Campanha Salarial, nos manifestamos neste ato em defesa da democracia, da dignidade, da liberdade de organização e de mobilização por nossos direitos.

Temos sido os maiores colaboradores e defensores do Banpará, porque acreditamos em nosso banco como ferramenta fundamental da inclusão social. Nestes últimos anos fomos às ruas colher assinaturas da população contra a privatização do banco e chegamos a doar 20% dos nossos salários no processo de capitalização em 1998.

No entanto, somamos mais de 15 anos de salários congelados, trabalhamos sob denúncias de assédio moral, pressão por metas, insegurança e outros graves problemas que nos causam adoecimentos. As cláusulas mais importantes do ACT 2008/2009, como PCS, plano de saúde e ponto eletrônico, entre outras, não foram efetivadas e nesta campanha salarial 2009/2010 a direção do Banpará se recusa a negociar nossa minuta específica.

Vossa Excelência, trabalhadora bancária, quando sindicalista e parlamentar de esquerda, foi uma projetada liderança de nossa luta. Ao nosso lado, sempre defendeu o Banpará, a mesa local de negociação e os direitos e liberdades de organização e mobilização dos trabalhadores e trabalhadoras. Por isso acreditamos que este manifesto será por vós acolhido com a propriedade de quem conhece a fundo nossa realidade e pode se comprometer com:

A MESA DE NEGOCIAÇÃO LOCAL,

O RECONHECIMENTO DA MINUTA ESPECÍFICA DO BANPARÁ,

O RECONHECIMENTO DO DIREITO DE GREVE E COMPROMISSO COM A NÃO VIOLÊNCIA CONTRA OS TRABALHADORES E TRABALHADORAS,

O CUMPRIMENTO INTEGRAL DO ACORDO COLETIVO 2008/2009,

O CUMPRIMENTO DO PCS ELABORADO PELA COMISSÃO PARITÁRIA, JÁ TUTELADO ANTECIPADAMENTE PELA JUSTIÇA DO TRABALHO,

A MANUTENÇÃO E FORTALECIMENTO DO BANPARÁ COMO BANCO PÚBLICO ESTADUAL, E

A INDENIZAÇÃO DOS BENS MÓVEIS ROUBADOS POR OCASIÃO DOS ASSALTOS E O RECONHECIMENTO DA CASA DO BANCÁRIO, EM CASO DE ASSALTO AO BANCO, COMO EXTENSÃO DO LOCAL DE TRABALHO.

BELÉM, PARÁ, 24 DE SETEMBRO DE 2009.

AS PRINCIPAIS REIVINDICAÇÕES DOS BANCÁRIOS

- Reajuste salarial de 10% (reposição da inflação mais aumento real).
- Participação nos Lucros e Resultados (PLR) de três salários mais R$ 3.850.
- Valorização dos pisos:Portaria: R$ 1.432.Escriturário: R$ 2.047 (salário mínimo do Dieese).Caixa: R$ 2.763,45.Primeiro comissionado: R$ 3.477,00.Primeiro gerente: R$4. 605,73.
- Auxílio-refeição: R$ 19,25.
- Cesta-alimentação: R$ 465,00 (um salário mínimo).
- 13ª cesta-alimentação: R$ 465,00.
- Auxílio-creche/babá: R$ 465,00.
- Fim das metas abusivas e do assédio moral.
- Plano de Carreira, Cargos e Salários (PCCS) em todos os bancos, negociado com as entidades sindicais.
- Contratação da remuneração total, inclusive a parte variável, com a incorporação dos valores aos salários e reflexo em todos os direitos (13º, férias e aposentadoria), com o objetivo de acabar com as metas abusivas.
- Garantia de emprego, fim das terceirizações, mais contratações e aplicação da Convenção 158 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que inibe demissões imotivadas.
- Segurança contra assaltos e seqüestros, com a retomada imediata da Comissão de Segurança Bancária, proibição ao transporte de valores pelos bancários e adicional de risco de vida.
- Auxílio-educação para todos.
- Ampliação da licença-maternidade para seis meses.
- Planos de previdência complementar para todos os bancários.

CONTRAF CUT DENUNCIA BANCOS AO MINISTRO DA JUSTIÇA

Por ofício, a CONTRAF/CUT solicitou audiência ao Ministro da Justiça, Tarso Genro, para denunciar a ação repressora dos bancos contra a greve nacional dos bancários.
Uma das ações comprovadas pela CONTRAF/CUT foi a reunião secreta entre a PM do Governo do Estado de São Paulo e a Febraban, Federação Brasileira dos Bancos.
A greve é um direito legal e legitimamente assegurado na Constituição. A justa iniciativa da CONTRAF/CUT busca garantir a segurança dos bancários e bancárias em luta por dignidade e melhores condições de trabalho nesta Campanha Salarial. A violência será prejudicial aos trabalhadores, ao processo de negociação e a toda a sociedade que terá um legítimo direito afrontado.

AQUI NO PARÁ, QUEREMOS ACREDITAR QUE A GREVE, SE FOR A DECISÃO DA CATEGORIA, SERÁ UM DIREITO RESPEITADO.




É HOJE A ASSEMBLÉIA GERAL NO SINDICATO

Reforçamos o convite a todos os colegas para que participem hoje da Assembléia Geral no Sindicato dos Bancários. O Banpará continua se recusando a negociar. O ACT 2008/2009 perdeu vigência e a única cláusula que ainda poderá ser resgata é a do PCS, por força de decisão judicial.
Nossa minuta atual contempla importantes ítens como ponto eletrônico, plano de saúde, PCS, isonomia e revisão das comissões, pagamento de sobreaviso, ajudas aluguel, deslocamento e comunicação, licença-prêmio, reembolso pelo banco, combate ao assédio moral, entre outras.
Veja aqui, na página do Sindicato dos Bancários a avaliação da entidade.
A AFBEPA apresentará um MANIFESTO À GOVERNADORA, a ser entregue em uma caminhada pacífica no CIG - Centro Integrado de Governo, na Av. Nazaré. Neste manifesto, clamaremos pelo reconhecimento da nossa minuta, pela mesa local de negociação e pela implantação do PCS como determinado pela justiça.
Caso o indicativo de greve se efetive, a AFBEPA entende que devemos acompanhar a greve nacional. Mas se não se confirmar o indicativo da CONTRAF, a AFBEPA entende que devemos construir imediatamente uma agenda de mobilização que inicia com a paralisação e vai até a greve, se o banco continuar fechado.

TODOS LÁ NA ASSEMBLÉIA DO SINDICATO. HOJE, 18h30.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

AMANHÃ, DIA 23, ASSEMBLÉIA NO SINDICATO

A AFBEPA reforça o convite para que estejamos todos e todas amanhã na sede do Sindicato dos Bancários para a ASSEMBLÉIA GERAL da Campanha Salarial. Como já foi bastante divulgado aqui, a direção do banco se recusa a negociar a minuta específica de reivindicações do funcionalismo do Banpará.
A Contraf/CUT indica greve a partir de 24 de setembro. Caso se confirme a indicação de greve, vamos acompanhar o movimento? A AFBEPA acredita que SIM. Caso não se confirme a indicação de greve vamos fazer o nosso movimento e lutar pela nossa minuta específica ou vamos aceitar a recusa do Banpará? A AFBEPA acredita que devemos fortalecer nosso movimento e pressionar o banco para negociar nossa minuta específica.

AMANHÃ, DIA 23, TODOS NA ASSEMBLÉIA GERAL NO SINDICATO, 18H30.



O MERECIDO CARINHO

Muito nos emocionou a postagem do querido jornalista Barata em seu blog, noticiando o merecido carinho que recebeu aqui. Todos sabemos que o Barata é um formador de opinião dentro do Banpará, porque sempre se posicionou ao lado da verdade dos fatos, revelando, através de seu ofício o que, de outra forma, permaneceria oculto para a maioria.
Para a AFBEPA, nestes duros caminhos de resgate da dignidade, em que temos que cuidar de pessoas que estão adoecidas, assediadas, desesperançadas, aviltadas em seus direitos, é de uma alegria indizível encontrar seres com a fimeza e a lucidez do nosso querido jornalista Barata. Nos redobram a energia e a vontade de seguir adiante. Muito obrigada!





AO INVÉS DE NEGOCIAR, BANCOS OPTAM PELA REPRESSÃO

Os bancos já estão se mobilizando contra o indicativo de greve dos bancários. As notícias no site da CONTRAF/CUT mostram as atitudes lamentáveis do setor que mais cresceu, mesmo no auge da crise, e que não se dispõe a negociar, dignamente, com os trabalhadores em Campanha Salarial. Podem ler aqui como o setor com as mais altas taxas de rentabilidade oferece aos bancários propostas insuficientes, muito aquém do mínimo negociável, muito, muito aquém do proposto na minuta. Vejam também aqui matéria da CONTRAF/CUT sobre como os bancos já estão se organizando para reprimir, até violentamente, o direito de greve dos bancários.

E COMO FICAMOS NÓS, DO BANPARÁ?
Mesmo afirmando um fantástico salto no lucro de 6 milhões em 2006, para 36 milhões em 2008, como podem ler no site do banco (Banpará na mídia - Novo presidente do Banpará destaca desempenho em pesquisa nacional), a direção do Banpará continua recusando a negociação e diz que vai aplicar apenas o que for decidido a nível nacional com a Fenaban, como se não tivéssemos uma minuta local que contempla nossas especificidades em uma realidade própria que nem se compara aos bancos nacionais de grande porte. Como se não tivéssemos sido capazes de doar 20% dos nossos salários para ajudar na capitalização do banco, como se não amargássemos mais de 15 anos de salários congelados.

Não temos saída a não ser recrudescer a luta, fortalecer nossa união, nossa fé e agir.

AMANHÃ, 23, TODOS NA ASSEMBLÉIA GERAL DO SINDICATO.

MANIFESTO À GOVERNADORA E MOBILIZAÇÃO CRESCENTE ATÉ A GREVE, SE NECESSÁRIO FOR!



segunda-feira, 21 de setembro de 2009

ASSEMBLÉIA DIA 23, NO SINDICATO. TODOS LÁ!!!

O Sindicato dos Bancários convocou ASSEMBLÉIA GERAL da Campanha Salarial para o dia 23 de setembro, quarta-feira, 18h30, na sede do Sindicato. Mesmo sendo geral, a assembléia também poderá decidir sobre os assuntos específicos do Banpará. Por isso, é fundamental que todos estejamos presentes.
A AFBEPA apresentará uma proposta de MANIFESTO À GOVERNADORA a ser entregue em uma caminhada no CIG, na Av. Nazaré, clamando pela mesa local de negociação, pelo reconhecimento da nossa minuta específica e pela implantação do PCS, como decidido pela justiça.
A AFBEPA também apresentará uma proposta de MOBILIZAÇÃO CRESCENTE com paralisação de todas as agências por 1h, depois paralisação por 1/2 turno, dia inteiro e greve, caso a direção do banco continue se recusando a negociar a nossa minuta.

TODOS LÁ NA ASSEMBLÉIA GERAL DO SINDICATO!



ASSALTO AOS BANCOS - A VIDA VALE MAIS

A preocupação com a segurança dos bancários e bancárias deveria ser o ponto central quando se trata de assalto aos bancos. No entanto, vítimas que são, os bancários na maioria das vezes passam a ser tratados como suspeitos.

BANCÁRIO: PROFISSÃO DE RISCO.
É óbvio que em uma sociedade de desigualdades brutais, miséria e insegurança como a nossa, os que lidam, diariamente, com altos valores são diretamente visados e se tornam foco permanente de assaltos, sequestros e demais formas de violência. Os bancários e bancárias têm sua integridade física e moral ameaçadas e, às vezes, efetivamente lesadas.

A AFBEPA ENTENDE QUE A CASA SE TORNA EXTENSÃO DO LOCAL DE TRABALHO.
Quando os bandidos invadem a casa de um bancário com a intenção de levá-lo a uma agência para roubar os valores que estão no cofre do banco; a casa se torna, no entender da AFBEPA, uma extensão do local de trabalho, dado o motivo da invasão. Uma vez dentro da casa do bancário, ao se depararem com bens móveis que os atraem, os bandidos os roubam. Em alguns casos sequestram e/ou violentam moralmente o bancário e seus familiares.

DIREÇÃO DO BANCO E SEGURANÇA PÚBLICA PRECISAM DESENVOLVER ESTRATÉGIAS para proteger a vida dos bancários, bancárias, e seus familiares, que se tornam alvos fáceis das quadrilhas. Os bandidos mapeiam as vidas dos bancários e bancárias, sabem onde residem, onde estudam seus filhos, onde trabalham as esposas ou maridos. Tudo para usar como ameaça em caso de assalto. A AFBEPA tem encaminhado à SEGUP e à direção do Banpará documentos solicitando medidas mais efetivas de proteção aos bancários, bancárias e seus familiares e, nos casos em que o assalto se consumou, a justa reposição dos bens roubados do bancário por parte do banco.

NOSSA SOLIDARIEDADE E JUSTIÇA AOS COLEGAS VÍTIMAS DE ASSALTOS em D. Eliseu, Concórdia, Primavera, Setran e demais agências bancárias. Após uma violência como a de um assalto a banco, onde os bandidos, na maioria das vezes, estão para o "tudo ou nada", a vítima desenvolve pesados traumas, síndrome do pânico, depressão e um profundo medo de continuar em seu local trabalho. Também seus familiares são diretamente atingidos. A tudo isso é preciso um olhar humano, cuidadoso, capaz de restaurar à vida, a confiança e a paz perdidas.



PARABÉNS AOS ATLETAS DO BASQUETE

RESULTADO DO TORNEIO ABERTO DE BASQUETE INTERBANCÁRIO 2009

Por e-mail, o Solano, bancário do Banpará que organizou o evento, nos enviou o resultado do Torneio Aberto de Basquetebol Interbancário 2009:

Campeã: Titãs.
Vice-campeã: Afbepa.
Terceiro colocado: Sindicato dos Bancários.
Quarto colocado: Uirapuru.
Quinto colocado: Avbpa.


Parabéns ao Solano que organizou o evento com o apoio do Banpará, da Afbepa, do Sindicato dos Bancários, além de outras instituições.
Parabéns aos atletas de todas as equipes e a todos que contribuiram com o torneio e que, como ressalta o regulamento, o evento tenha alcançado seus objetivos principais: confraternização, solidariedade e fraternidade entre os bancários do Pará.



domingo, 20 de setembro de 2009

RESPEITO, DIGNIDADE E CONVICÇÃO.

Agradecemos as diversas postagens que temos recebido desde o nascimento deste blog. Na sua maioria, postagens de bancários e bancárias do Banpará, desejosos de canais públicos de manifestação. Outros não se apresentam, embora até postem com nome e sobrenome. Para nós não faz diferença. Anônimos bancários, anônimos em geral, os que postam com seus nomes, com nomes e sobrenomes escolhidos... para nós não faz diferença e nem poderia fazer, uma vez que não podemos julgar, selecionar ou escolher. Para nós o que vale é a opinião de todos que desejem se expressar livremente, mas respeitando a honra e a dignidade de pessoas e instituições. Este é, efetivamente, um espaço aberto e democrático.
O que não podemos acolher aqui é o desrespeito, através de termos infames, indignos e vergonhosos. Em alguns casos elogiam a AFBEPA, mas atacam, com tais termos, outras instituições. Pedimos apenas que emitam suas opiniões, quaisquer que sejam, elogiosas ou críticas, destinadas a quem quer que seja, usando de bom senso, cordialidade e respeito.
Por fim, não desejamos iludir a ninguém. Este não é um espaço neutro. Nosso blog demonstra claramente suas opiniões, suas opções ideológicas, suas convicções através das postagens principais.
Não desejamos apenas informar, mas também esclarecer, desvelar, revelar e transformar. Desejamos, com este pequeno espaço e com a luta diária da AFBEPA, contribuir para que as pessoas estejam mais despertas, abertas ao novo e capazes de continuar acreditando e lutando com alegria, coragem e amor por um mundo de justiça e solidariedade. É muito, certamente, e é só um começo.
Muito obrigada e sejam sempre bem recebidos aqui.



sábado, 19 de setembro de 2009

ASSEMBLÉIA JÁ!!!

REUNIÃO NO POSTÃO REFORÇOU PEDIDO DE ASSEMBLÉIA

A reunião começou às 16h30 e até às 18h ainda estavam chegando colegas. Os bancários e bancárias que estiveram presentes na reunião no Postão da Senador Lemos, reforçaram o pedido de assembléia que a AFBEPA já havia encaminhado por ofício ao Sindicato dos Bancários. Além disso, concordaram com o MANIFESTO À GOVERNADORA pedindo a mesa local de negociações, o reconhecimento da nossa minuta e a implantação do PCS, como determinado pela justiça.

"Não acreditamos que a campanha salarial será levada apenas com a reunião de delegados sindicais. A maioria do funcionalismo quer participar e decidir junto. Cadê a democracia?"

"E agora que a nacional indicou a greve, como será sem a assembléia aqui?"

"Não há motivo que justifique não chamarem a assembléia. Temos o direito de participar!"

Assim se manifestaram os bancários e bancárias.



MUITO OBRIGADA PREZADO BARATA

Muito obrigada prezado jornalista Barata, por divulgar nosso blog em seu site.
Desejamos realizar aqui, como em seu blog é feito, um trabalho sério, comprometido com a verdade, com a democracia e com o respeito a todas as liberdades.
Um grande abraço e conte sempre conosco na trilha da honra, da dignidade e na luta por um mundo mais justo e humano.



sexta-feira, 18 de setembro de 2009

CONTRAF CUT ORIENTA GREVE A PARTIR DE 24/09/09

HOJE, 16h30 NO POSTÃO, GRANDE REUNIÃO
PAUTA: PCS E CAMPANHA SALARIAL


AFBEPA CONTINUA CLAMANDO: SINDICATO PRECISA CONVOCAR A ASSEMBLÉIA DOS BANCÁRIOS E BANCÁRIAS DO BANPARÁ.


A nível nacional, após 4 rodadas de negociação, sem apresentar propostas, Fenaban propõe apenas 4,5% de reajuste, PLR inferior à do ano passado, nenhuma valorização dos pisos salariais e nem proteção aos empregos. Negaram, também, o auxílio-educação e querem reduzir o auxílio-creche/babá de 83 para 71 meses.

O Comando Nacional da Campanha Salarial encaminhou documento rejeitando a proposta e indicou greve nacional a partir de 24 de setembro, quinta-feira, ao mesmo tempo em que solicitou reunião no dia 23/09/09 para que a Fenaban apresente nova proposta a ser avaliada pelo conjunto da categoria nas assembléias. Caso os bancos mantenham a proposta rebaixada, não restará saída a não ser a greve por tempo indetrminado a partir do dia 24.

AQUI, A DIREÇÃO DO BANPARÁ mantém a recusa em negociar nossa minuta de reivindicações, afirmando que apenas seguirá o acordo da Fenaban. A AFBEPA insiste a urgência da convocação da Assembléia por parte do Sindicato dos Bancários.

A Assembléia é a instância legítima para definir pela greve, por seus encaminhamentos e votar, democraticamente, seu comando.

Lembremos que no caso do PCS, se não fosse a Assembléia, nós, bancários e bancárias do Banpará teríamos perdido nosso direito, no ACT que perdeu vigência em 31 de agosto deste ano. Demais cláusulas importantes como ponto eletrônico e plano de saúde não foram cumpridas e o PCS só será cumprido, por força da Ação de Cumprimento, que votamos e decidimos na assembléia.



segunda-feira, 14 de setembro de 2009

CAMPANHA SALARIAL 2009/2010

ASSEMBLÉIA JÁ!!!

A AFBEPA solicita a todos os colegas que liguem e enviem e-mails ao Sindicato dos Bancários pressionando para que convoque uma assembléia de funcionários específica do Banpará.
O Sindicato divulgou em seu site que a direção do Banpará se recusa a negociar a minuta com a pauta de reivindicações do funcionalismo nesta Campanha Salarial 2009/2010. Alega a direção do banco que vai apenas cumprir o que decidir a mesa nacional com a Fenaban.
Isto é grave! Impensável em se tratando de um governo petista, cuja dirigente superior, no caso, a governadora Ana Júlia, é uma bancária que sempre defendeu a mesa local de negociação quando era do MOB - Movimento de Oposição Bancária e depois parlamentar.
Diante da atual situação da Campanha Salarial, a ASSEMBLÉIA específica de bancários e bancárias do Banpará é a única instância com legitimidade reconhecida para decidir seus rumos. ASSEMBLÉIA JÁ!!! É o que clama a AFBEPA.



PCS: AUDIÊNCIA NÃO ACONTECEU



No TRT hoje pela manhã, estavam presentes desde cedo a AFBEPA e um grupo de funcionários do Banpará dando prosseguimento à Campanha pelo PCS. Por volta das 11h chegaram a direção do Sindicato, sua assessoria jurídica e os representantes do Banpará, que deveria apresentar sua contestação.
A audiência não aconteceu porque não foi designado um juiz para conduzi-la. Deverá ser remarcada nova audiência, quando o banco apresentará sua contestação. Até lá, continuemos unidos e firmes na Campanha pelo PCS.

TEMOS A TUTELA DO MÉRITO QUE PROTEGE NOSSO DIREITO.
A tutela antecipada concedida pelo magistrado da 11a Vara do Trabalho da 8a Região, antecipou o mérito da demanda requerida pela parte autora, ou seja, os trabalhadores do Banpará. A verdade da alegação e o prejuízo pela demora, demonstrados nos autos, foram reconhecidos e considerados pelo magistrado que nos concedeu a tutela antecipada.



VÍRUS H1N1

ÁLCOOL, VIDROS NA GUICHERIAS E GRÁVIDAS NO TRABALHO INTERNO.
MEDIDAS PREVENTIVAS PARA PROTEGER O FUNCIONALISMO

Desde junho deste ano a AFBEPA vem solicitando à direção do Banpará que tome medidas preventivas para proteger o funcionalismo da pandemia do vírus H1N1. os profissionais em saúde indicam que manter as mãos limpas e proteger as vias aéreas é ainda o melhor caminho para a prevenção. Sem exageros todo cuidado é necessário. O afastamento das grávidas dos setores de atendimento se justifica porque a mulher grávida está com suas taxas de imunidade rebaixadas, pois divide imunidade com o feto. Por isso, várias empresas em todo o mundo estão remanejando as grávidas para os setores de retaguarda, sem a necessidade de qualquer atestado médico, uma vez que se trata de medidas de prevenção.



SALÁRIO EM DOBRO OU FOLGA COMPENSATÓRIA

TRABALHO AOS FINAIS DE SEMANA E FERIADOS NÃO É HORA EXTRA.

Segundo determina a legislação, quando o trabalhador é chamado a trabalhar em finais de semana ou feriado, o que cabe não é o pagamento de horas extras, mas sim a compensação em folga ou o pagamento dobrado pelo valor normal das horas de trabalho. Como sabemos, as horas extras são a extrapolação da jornada de trabalho e não o trabalho em finais de semana e feriado. A AFBEPA está sempre a postos para esclarecer, ajudar e defender os bancários e bancárias do Banpará.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

CAMPANHA SALARIAL 2009/2010

DIREÇÃO DO BANPARÁ SE RECUSA A NEGOCIAR

A AFBEPA considera grave a recusa da direção do Banpará em negociar a minuta de reivindicações 2009/2010 da categoria, especialmente porque cláusulas do ACT 2008/2009 ainda não foram cumpridas.

Na realidade a única que está a salvo é a do PCS, isto porque o funcionalismo se organizou, lutou e aprovou em assembléia a ação de cumprimento, já concedida a tutela antecipada. Cláusulas importantíssimas como o plano de saúde e o ponto eletrônico ainda não foram cumpridas e a AFBEPA reivindica que sejam mantidas.

A AFBEPA propõe:

1) que o Sindicato dos Bancários convoque uma ASSEMBLÉIA ESPECÍFICA de funcionários e funcionárias do Banpará;

2) A RENOVAÇÃO das cláusulas do ACT 2008/2009, até que novo acordo seja assinado;

3) MESA LOCAL DE NEGOCIAÇÃO com a direção do Banpará;

4) Apresentação de um MANIFESTO À GOVERNADORA, que é bancária e, quando dirigente do Movimento de Oposição Bancárias e parlamentar, sempre defendeu a mesa de negociação local. Para entrega deste manifesto, no CIG, Centro Integrado de Governo, em Nazaré, organizaremos uma caminhada com faixas e carro de som;

5) MOBILIZAÇÃO CRESCENTE até que o banco instale a mesa loca: braços cruzados por 1h, paralisação de 2h, paralisação de meio turno, greve.

A AFBEPA CONVIDA A TODOS OS COLEGAS A PARTICIPAREM E RESPONDEREM A ESTE E-MAIL OU POSTAREM COMENTÁRIOS NO BLOG, ENVIANDO SUGESTÕES E AVALIANDO AS PROPOSTAS ACIMA COLOCADAS.

A AFBEPA QUER O TRABALHO UNIFICADO NA DEFESA DOS DIREITOS E INTERESSES DA CATEGORIA, OS BANCÁRIOS E BANCÁRIAS DO BANPARÁ.

MUITO OBRIGADA E MANTENHAMOS A UNIÃO E A FORÇA!

A DIREÇÃO DA AFBEPA.



DIA 14/09/09, SEGUNDA-FEIRA, TODOS NA PORTA DO TRT DA PRAÇA BRASIL, 8h. NÃO FALTE!


A direção da AFBEPA esteve novamente, hoje, com faixas e panfletos na porta do TRT, em frente à Praça Brasil, clamando, com fé e firmeza, para que a decisão da justiça seja mantida: IMPLANTAÇÃO DO PCS EM JANEIRO DE 2010, COM EFEITO RETROATIVO A 18 DE MAIO DE 2009.
Na segunda, dia 14/09/09, segunda-feira o banco deverá apresentar sua contestação. A AFBEPA estará novamente às portas do TRT da Praça Brasil, para que nossa causa seja vitoriosa! Todos juntos em frente ao TRT! Segunda-feira, dia 14/09/09. 8hs. Não falte!



quinta-feira, 10 de setembro de 2009

AFBEPA SENSIBILIZA A JUSTIÇA NA PORTA DO TRT












AFBEPA NA PORTA DO TRT, SENSIBILIZANDO A JUSTIÇA DO TRABALHO PARA QUE SE MANTENHA A DECISÃO DA TUTELA ANTECIPADA

Kátia Furtado, Cristina Quadros, Raimundo Alves, Domingos Viana, Zenaide Oliveira e demais colegas do Banpará na mobilização pacífica da Campanha pelo PCS da AFBEPA, em frente ao TRT hoje de manhã.
Amanhã, dia 11/09/09 e segunda-feira, dia 14/09/09, quando o banco deverá apresentar sua contestação, a AFBEPA continuará a mobilização para sensibilizar a justiça. Nossa meta é que a decisão da tutela seja mantida: implantação do PCS até janeiro de 2010, com efeito retroativo a 18 de maio de 2009.

Todos os bancários e bancárias do Banpará estão convidados. Vamos garantir nosso direito!

Unidos, somos fortes!



sexta-feira, 4 de setembro de 2009

10, 11 e 14 de Setembro, no TRT da Praça Brasil.



Nos dias 10, 11 e 14 de setembro, de 7h às 9h, A AFBEPA estará em frente ao TRT da Praça Brasil, em uma manifestação pacífica com panfletos, bottons e camisas da Campanha pelo PCS, para sensibilizar a justiça.
Vamos agradecer a tutela antecipada e clamar para que a decisão seja ratificada, em todas as instâncias:

Implantação do PCS
em janeiro de 2010,
com EFEITO RETROATIVO
a 18 de maio de 2009.


TODOS LÁ!
UNIDOS, SOMOS FORTES!